uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Trabalhadores da Eurest em protesto na Área de Serviço de Santarém

Trabalhadores da Eurest em protesto na Área de Serviço de Santarém

Protesto contra atrasos no pagamento do subsídio nocturno a que dizem ter direito

Ver Video em: http://www.omirante.pt/omirantetv/noticia.asp?idgrupo=2&IdEdicao=51&idSeccao=514&id=22338&Action=noticia

Edição de 12.06.2008 | Economia
Os serviços de cafetaria e restaurante da Eurest na Área de Serviço de Santarém, na A1 (em ambos os sentidos), ficaram assegurados pelas chefias directas das cerca de sete dezenas de trabalhadores que, na quinta-feira, 5 de Junho, fizeram greve em frente às instalações da empresa. O grupo protestava, empunhando cartazes, contra o facto da empresa não lhes ter pago, nos últimos dois meses, o subsídio nocturno, que dizem ter direito a receber pelo serviço prestado entre as 20h00 e 24h00, e que representa um acréscimo salarial de 30 euros por mês.O protesto ocorreu no dia em que a CGTP promovia uma jornada de luta a nível nacional, concentrando duzentas mil pessoas numa manifestação contra o código de trabalho em Lisboa. As manifestantes, algumas com 15 anos de casa, diziam, alto e em bom som, que estes são “direitos conquistados que não devem ser roubados”. Numa nota distribuída aos viajantes que por ali passavam, criticavam também o facto de a empresa “se preparar” para lhes retirar o subsídio de alimentação nas férias e subsídio de férias e de alterar o pagamento de trabalho prestado em dias feriados e de descanso semanal. Norberto Gomes, representante do Sindicato da Hotelaria do Sul, disse a O MIRANTE que, com esta atitude, a Eurest “está a tirar direitos aos trabalhadores” acrescentando que a empresa “está sempre com um mês em atraso no subsídio nocturno, que já não constou nos recibos de ordenados dos últimos dois meses”. Segundo o dirigente sindical, a Eurest “está a tentar aplicar o contrato colectivo de trabalho dos restaurantes, cujo serviço nocturno só é pago após a meia-noite, enquanto nas áreas de serviço é pago a partir das 20 horas”, representando uma redução salarial de 25% na folha do ordenado de cada trabalhador. De acordo com Henrique Leite, director operacional da Eurest, “das 29 pessoas escaladas para o turno da manhã, 14 foram trabalhar, concretizando, mais ou menos, 50 por cento de pessoas que não compareceram ao trabalho”. Henrique Leite sustentou que o protesto se inseriu na jornada de luta da CGTP, alegando não ter “mais informação” sobre os motivos da paralisação. Já Norberto Gomes referiu a O MIRANTE que a paralisação dos trabalhadores da Eurest “vai voltar a ser repetida, na próximas semanas, em outras áreas de serviço do país” até que a empresa reconsidere a sua posição e devolva aos trabalhadores os direitos que estão consagrados no contrato de trabalho que assinaram.
Trabalhadores da Eurest em protesto na Área de Serviço de Santarém

Mais Notícias

    A carregar...