uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Conflitos obrigam câmara a desactivar polidesportivo no Forte da Casa

Conflitos obrigam câmara a desactivar polidesportivo no Forte da Casa

Vizinhos dizem que não conseguem descansar com ruído dos jogadores

Alguns moradores já foram injuriados e ameaçados por jovens que frequentam o polidesportivo nas traseiras da estação dos correios. Câmara de Vila Franca vai transformar o ringue num espaço de estar e lazer.

Edição de 11.09.2008 | Sociedade
“Há pessoas a receber tratamento psiquiátrico por causa deste inferno do polidesportivo”. A denúncia é feita por Madalena Valério que não se conforma com o estado de sofrimento em que vivem dezenas de vizinhos do espaço desportivo nas traseiras da estação dos correios no Forte da Casa, Vila Franca de Xira. O ruído das bolas a bater nas redes de ferro destruídas por vandalismo provoca um ruído incómodo que se repete centenas de vezes por dia. Apesar do horário limitar a utilização do polidesportivo até às 21h00, por vezes, às 03h00 da madrugada ainda se joga no ringue. “Há jovens que passam aqui a noite. Jogam e fazem todo o tipo de vergonhas. É doloroso viver aqui”, conta uma das moradoras que pede anonimato com receio de represálias por parte dos frequentadores do recinto. “Já ameaçaram o meu marido e ofenderam-no com palavrões que não se dizem a ninguém”, adianta a idosa.No bairro há várias pessoas com depressões que se agravam com o incómodo da “má vizinhança”O polidesportivo com balizas, que já não têm rede e tem buracos na vedação que colocam em risco a segurança dos jogadores, está rodeado de prédios. Todos os dias, há bolas que saltam para o interior dos quintais, logradouros, varandas e marquises. Uma das vizinhas do campo de jogo já foi surpreendida com uma bolada enquanto cozinhava. “É uma tristeza”, lamenta. A moradora já perdeu a conta às bolas que devolveu depois de ficarem retidas no seu terraço. “Se alguém se recusa a dar a bola, vêm os pais e reclamam, mas não sabem dar educação aos filhos”, comenta.Os sinais de degradação são evidentes dentro do polidesportivo e à sua volta. Há grafitis nas paredes com palavras que chocam, lixo no chão e árvores que morrem de sede. “Ninguém cuida disto. É um espaço abandonado pela junta e pela câmara”, lamenta Júlio Fernandes. À volta do polidesportivo há bancos, mesas, copas para acolher árvores e locais com sombras que raramente são utilizados devido ao clima de insegurança e mau estar.“O espaço deveria ser para as crianças, mas elas têm dificuldade em brincar no polidesportivo porque os maiores não os deixam e os pais têm medo”, explica Madalena Valério que considera que construir um polidesportivo no meio das casas foi uma má ideia. “É um empreendimento ilegal porque não respeita as distâncias para os prédios”, conclui. Alguns logradouros estão colados ao polidesportivo.Câmara vai dar nova utilização ao espaço A presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira reconhece que a ideia de construir o equipamento naquela zona não resultou. Maria da Luz Rosinha avança que o polidesportivo vai ser desactivado. A edil informou que o local vai ser reconvertido num espaço de estar e lazer para usufruto da população. O parque infantil que dista poucos metros do polidesportivo será requalificado com um reforço das medidas de segurança.Os actuais frequentadores do polidesportivo criticam a decisão da câmara e prometem reagir. “Não tem sentido. Nós não temos sítios para jogar futebol. Por causa de uns, pagam todos”, lamenta Bruno Dias, 16 anos, que costuma jogar futebol com um grupo de amigos. “Deviam era reparar isto e criar condições de segurança e vigilância”, sugere Pedro Duarte.Os jovens reconhecem que no actual estado, o polidesportivo incomoda os vizinhos, mas consideram que há condições para poder funcionar, se forem feitas as reparações das redes, minimizando os prejuízos dos moradores. “Tem de haver alguma tolerância dos vizinhos e respeito dos jogadores”, conclui José Reis que promete manifestar-se caso a ideia de acabar com o polidesportivo avance. “Acabar é sempre a solução mais fácil”, conclui.
Conflitos obrigam câmara a desactivar polidesportivo no Forte da Casa

Mais Notícias

    A carregar...