uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Vila Nova de São Pedro vai ter centro de interpretação arqueológica

Vila Nova de São Pedro vai ter centro de interpretação arqueológica

Financiamento garantido no programa de compensações para Azambuja

O investimento vai criar um pólo dinamizador do turismo numa das freguesias mais carenciadas do alto concelho de Azambuja. A intervenção avança em 2009.

Edição de 18.09.2008 | Sociedade
A recuperação das ruínas do castro de Vila Nova de São Pedro, Azambuja, e a criação de um centro de interpretação de vestígios arqueológicos é uma das obras que integra o programa de acção para o desenvolvimento da região afectada pela mudança da localização do aeroporto. A proposta apresentada pelo governo inclui um conjunto de 120 intervenções em 16 municípios do Oeste e da Lezíria Ribatejana.Segundo o presidente da Câmara Municipal de Azambuja, Joaquim Ramos (PS) a intervenção nas ruínas do castro, “único monumento nacional classificado no concelho”, visa preservar o monumento e criar um centro de interpretação do valioso património existente integrado num complexo turístico com zonas de estar e lazer, restaurante, bar e loja de recordações. O projecto contempla ainda a recuperação do moinho adjacente e de toda a envolvente.O edil explicou que os trabalhos de limpeza e preparação, a iniciar em 2009, serão acompanhados por arqueólogos e outros técnicos que farão a pesquisa no terreno e o levantamento dos vestígios. Os técnicos irão promover o estudo dos achados que vierem a encontrar e que serão guardados num espaço seguro e depois colocados no centro de interpretação.Joaquim Ramos acredita que o complexo em volta das ruínas do castro, classificadas desde 1971 como monumento nacional, vai contribuir para a dinamização de outros projectos turísticos no alto concelho de Azambuja, atraindo visitantes a uma das zonas mais carenciadas da área do município. A intervenção no castro será acompanhada de outras obras de melhoria das acessibilidades e dos espaços públicos em vários pontos do município. Estão também previstas intervenções de recuperação do Palácio de Pina Manique, Convento das Virtudes e Palácio da Rainha, valorizando a oferta de património histórico no concelho. A substituição e reforço da sinalética que indica os locais a visitar é outra medida prevista no plano de investimentos. O presidente da junta de freguesia de Vila Nova de São Pedro, Lúcio Costa (PS), defende que para atrair os turistas é fundamental disponibilizar o património cultural, melhorar os acessos e a sinalética e estimular investimentos na área da gastronomia e do artesanato.“Estamos localizados no alto do concelho, temos de criar atractivos para os turistas virem cá. E o turismo traz emprego e desenvolvimento”, sustenta.O autarca considera que a freguesia tem pago cara a factura de estar a 22 quilómetros da sede do concelho e exorta a câmara a corrigir algumas assimetrias que se acentuaram ao longo dos anos. “O castro é uma mais valia para esta terra e não tem sido estimado e apreciado pelas pessoas de cá. É altura de agirmos com urgência”, defendeu numa visita ao local no dia 19 de Fevereiro de 2008, acompanhado por autarcas locais e pelo executivo da Câmara de Azambuja.A freguesia de Vila Nova de São Pedro inclui os lugares de Torre de Penalva, Casal do Além, Outeiro, Carrascal e Moita do Lobo, dista 7 quilómetros do Cartaxo e faz fronteira com o concelho de Santarém. Tem cerca de mil habitantes, incluindo mais de duas centenas que têm na aldeia a segunda casa onde passam os fins de semana.
Vila Nova de São Pedro vai ter centro de interpretação arqueológica

Mais Notícias

    A carregar...