uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Camião choca com a capela dos Arcanjos pintados com tinta de automóvel

Camião choca com a capela dos Arcanjos pintados com tinta de automóvel

Recuperação de S. Brás da Barrosa não é prioritária para paróquia de Benavente

Um camião carregado de palha de arroz chocou contra a capela de S. Brás da Barrosa, concelho de Benavente, e arrancou-lhe parte de uma parede. Os pássaros entram pelo telhado. No interior os arcanjos já foram pintados com tinta de automóveis. O pároco diz que “o que havia para destruir já foi destruído”.

Edição de 06.11.2008 | Sociedade
O telhado está abaulado e tem aberturas por onde entram os pássaros. As imagens religiosas que ainda resistem no interior estão pintadas com tinta sem qualidade. A última machadada no aspecto já degradado da abandonada capela de S. Brás da Barrosa, Benavente, foi ditada por um camião carregado de palha de arroz que chocou contra ela há uma semana e meia e destruiu parte de uma parede. “O que havia para destruir já foi destruído”, conforma-se o padre Tarcísio Pinheiro da Paróquia de Benavente, que com outro pároco, tomou em 2001 as rédeas dos edifícios da Igreja que inclui a capela de S. Brás. Tarcísio Pinheiro reconhece a necessidade de intervenção no espaço, mas lembra que S. Brás é um sítio ermo com meia dúzia de casas e primeiro estão as igrejas abertas ao culto onde se celebra missa. “Há que definir prioridades”, explica. E o trabalho não pode ser feito todo de uma vez. Primeiro começou a ser restaurada a Igreja de Benavente, que está prestes a celebrar 50 anos. Depois a da Barrosa. Na lista está ainda a igreja de Santo Estêvão e a de Samora Correia com grande valor arquitectónico e onde chove. Na capela de S. Brás o sino está ao alcance de qualquer visitante. Os arcanjos sobre o altar estão pintados de tinta azul berrante. “Usaram tinta para pintar automóveis”, garante um habitante. O mesmo aconteceu aos castiçais altos e andores que saem uma vez por ano na altura da procissão. No site oficial o Museu de Benavente, que classifica o estado de conservação da capela como “mau”, refere-se à existência de elementos que se enquadram na talha maneirista.A mulher que tem a chave da capela chega ao monte de S. Brás ao final da tarde numa vespa vermelha que se ouve ao longe. Quando o chão do templo já tem demasiados dejectos de pássaros, tem que ser lavado à mangueirada. São três a quatro horas que Fátima Casaca, 37 anos, passa à roda da igreja que fica a cinco metros de sua casa. “Não percebo porque não há 500 euros para arranjar o forro da capela, mas depois há verbas para construir uma igreja como a dos Pastorinhos, em Alverca”, desabafa. Trabalha numa pecuária e três vezes por ano disponibiliza-se a limpar a velha igreja a título gracioso. É por altura da Quinta-Feira da Ascensão, no Dia de Finados e no Natal.Há alguns anos a Câmara de Benavente chegou a conceder uma verba para uma intervenção que impedisse a chuva de entrar na capela de S. Brás, mas é necessário fazer obras de fundo para preservar o património. O presidente da Junta de Freguesia da Barrosa, Joaquim Semeano, garante que há oito anos que a junta tem orçamentada uma verba anual de 500 euros para a igreja. “Nunca a utilizámos porque nunca ninguém pediu”, diz o autarca que explica que nunca tomou a iniciativa de avançar com uma intervenção porque não se mete em “assuntos de igreja”.A ermida está rodeada por meia dúzia de habitações. Na margem esquerda do Rio Sorraia. A três quilómetros da aldeia da Barrosa. É um monte ermo que chegou a ser propriedade única. Em tempos o lugar foi sede da freguesia de S. Brás da Barrosa. Hoje é um pequeno troço de rua dá acesso ao campo. Os habitantes contam-se pelos dedos.Ao sentir um carro a estacionar perto da soleira da porta, que fica em quota abaixo do alcatrão Isabel Soeiro, 80 anos, assome à rua. Perdeu quase a totalidade da visão. Vislumbra apenas um vulto. Sabe de cor os dez metros que a separam da velha igreja. “Só abre por altura da quinta-feira da Ascensão”. A festa anual é organizada por colectividades do concelho. No último ano foi a secção das danças de salão dos Bombeiros de Benavente que dinamizou os festejos. No monte de S. Brás não há lojas. À idosa vale-lhe uma comerciante que ali se desloca regularmente. Os lavabos públicos têm as portas estragadas, mas ao contrário de muitas aldeias o pequeno troço de estrada está alcatroada e em boas condições.
Camião choca com a capela dos Arcanjos pintados com tinta de automóvel

Mais Notícias

    A carregar...