uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Foi preciso sofrer muito para garantir a manutenção na segunda divisão

Foi preciso sofrer muito para garantir a manutenção na segunda divisão

Grupo Desportivo de Monsanto continua a fazer história no futebol do distrito

O Grupo Desportivo de Monsanto empatou 1-1 com o Oliveira do Bairro e garantiu a manutenção na Segunda Divisão Nacional e um lugar nos seis primeiros da Série C, que lhe dá a possibilidade de continuar no grupo que vai lutar pelo título de campeão de série.

Edição de 26.02.2009 | Desporto
Depois de uma primeira fase muito boa, a equipa da pequena aldeia do concelho de Alcanena sentiu algumas dificuldades na fase final, mas acabou por garantir o sexto lugar na sua série e a consequente manutenção e a possibilidade de lutar, ainda que com hipóteses remotas, pela subida de divisão.Domingo, foi preciso esperar pelo apito final do árbitro, para a rolha do vulcão saltar e as centenas de espectadores que enchiam o Campo do Pião respirassem fundo. Só nessa altura o empate, que chegava para garantir a manutenção se confirmou.O jogo era decisivo para as duas equipas. O Monsanto tinha que pelo menos empatar para garantir um lugar nos seis primeiros, que lhe garantia a manutenção e a hipótese de continuar a lutar pelo primeiro lugar. Ao Oliveira do Bairro só a vitória interessava. Por isso estiveram sobre o terreno de jogo duas equipas com posturas quase iguais. Os da casa apostados em segurar o empate não arriscando muito. Os da bairrada apostados em vencer, mas também receosos de sofrer golos, jogando por isso na contenção e na procura do erro do adversário. Durante os noventa minutos a sorte pareceu estar sempre voltada para a equipa visitante, que viu os avançados do Monsanto criarem e desperdiçarem pelo menos três excelentes oportunidades de golo. Por seu lado o Oliveira do Bairro jogava no erro do adversário e num desses casos o avançado Luís Barreto só frente a Nuno Martins fez um passe ao guarda redes.Durante a primeira parte o Monsanto criou as melhores oportunidades de golo, mas a prioridade foi sempre a de fechar os caminhos para a sua baliza. Do lado do Oliveira do Bairro, uma equipa formada por jogadores muito experientes e bem dotados fisicamente a aposta era no jogo directo para os dois avançados, solução que raramente deu resultados.Para a segunda parte nada se modificou. A disposição das duas equipas foi a mesma. E o jogo só animou mais quando aos 49 minutos, num lance aparentemente inofensivo, um lançamento lateral, Bruno Ferreira colocou a bola na área, Pedro Fazenda tocou para traz e Filipe apareceu de rompante a pontapear para o fundo da baliza do guarda-redes do Oliveira do Bairro. Os adeptos do Monsanto começaram a fazer uma pequena festa. Festa que foi abafada aos 81 minutos, altura em que Filipe cometeu uma grande penalidade, que o jogador do Oliveira do Bairro, Paulo Costa transformou no golo do empate.Daí até ao apito final do árbitro foi sofrer a bom sofrer. O Oliveira do Bairro acreditou que ainda podia chegar à vitória e caiu sobre a área do Monsanto. Ambas as equipas podiam ter marcado nesse intervalo de tempo. Mas o jogo chegou ao fim com o empate. Curiosamente os jogadores, dirigentes e os adeptos do Monsanto comemoraram a manutenção de uma forma muito comedida. Não houve festa, apenas aplausos e abraços de alguns familiares aos jogadores. Mas a proeza da equipa da pequena aldeia de Monsanto, concelho de Alcanena, foi muito grande e merecia uma maior atenção dos seus adeptos. A equipa de arbitragem, chefiada por Ricardo Gonçalves, veio da Guarda e pode dizer-se que num jogo difícil de dirigir, esteve bem. Vítor Alves considera justa a conquista da manutenção O treinador do Monsanto, Vítor Alves, considera que a sua equipa conquistou a manutenção com justiça. “Fomos uma equipa muito regular, durante vinte das vinte e duas jornadas desta fase estivemos sempre nos seis primeiros lugares. Fomos fortes e disciplinados, o que não é fácil numa equipa que veio da terceira divisão como o Monsanto”, disse o técnico.Técnico e jogadores nem nos piores momentos da época desacreditaram da concretização do objectivo principal da manutenção. “Tivemos a oportunidade de ficar com uma vantagem confortável, quebrámos um pouco. Mas tivemos sempre confiança e quando toda a gente pensava que podíamos claudicar, penso que fomos fortíssimos e merecemos claramente chegar a este momento”, acrescentou. “Quero desfrutar deste momento, quero agradecer a toda a gente que sempre acreditou em nós. Felicidade não é nunca fácil de alcançar, mas quem trabalhou para isso como nós, é fantástico estar a viver este momento”, garantiu Vítor Alves, para quem acreditar sempre até ao fim foi determinante para alcançar os objectivos.A estabilidade do clube é justificada pelo treinador pela qualidade do grupo e pela maneira de estar da direcção. “Foi um bom grupo de trabalho não só em qualidade, mas essencialmente muito unido e com um ambiente muito unido. Penso que na equipa técnica também conseguimos fazer um bom trabalho e naturalmente que a direcção tem também aqui um trabalho importante. Dá muita tranquilidade a quem trabalha com ela e nunca nos pressionou a nada. Todos os directores foram de uma dedicação extrema”, elogiou.Quanto ao futuro, Vítor Alves referiu que neste momento, “queremos transmitir esta alegria às pessoas que nos têm apoiado, e garantir que, independentemente de sabermos que vamos lutar com equipas muito mais fortes do que nós, vamos lutar jogo a jogo pelos três pontos. Vamos de certeza continuar a dignificar a camisola deste clube, e o nome desta pequena aldeia, que terá sempre de ser apontada como exemplo para o concelho e para o distrito”. Vamos continuar a trabalhar, mais declarações ficam para o fim do campeonatoOrlando Filipe foi o dirigente do clube, que esteve sempre junto da equipa, foi o que mais sofreu e que mais deu a cara na defesa do clube e do grupo de trabalho, nunca faltando com o seu apoio. Garantiu que a conquista da manutenção na segunda divisão nacional, “é justa e emocionante”.“Não merecíamos ter que sofrer tanto, mas parece que isto já é sina. Tivemos sempre um plantel responsável, e andámos sempre nos seis primeiros lugares. Fico feliz sobretudo porque sou um elemento de uma direcção e de um grupo de trabalho exemplar que alcançou os objectivos da época”, comentou Orlando Filipe.Garantindo que o Monsanto vai de certeza honrar a freguesia, o concelho de Alcanena e o distrito de Santarém Orlando Filipe não quis alongar-se muito nas suas declarações. “Neste momento quero saborear a manutenção. No final da época posso fazer mais declarações” disse.
Foi preciso sofrer muito para garantir a manutenção na segunda divisão

Mais Notícias

    A carregar...