uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Luís António

Luís António

Comerciante, 57 anos, Alverca do Ribatejo

Costumo dizer que se as mulheres quisessem os homens estavam tramados. As mulheres são muito mais organizadas e é normal que assumam a gestão da casa. É claro que o homem não se deve colocar à margem das tarefas domésticas e deve também ajudar

Edição de 09.02.2011 | Agora falo eu
Já alguma vez ofereceu um ramo de flores?Não sou uma pessoa de dar muitas flores, mas já ofereci uma ou duas vezes. As mulheres é que devem ser as donas de casa?Costumo dizer que se as mulheres quisessem os homens estavam tramados. As mulheres são muito mais organizadas e é normal que assumam a gestão da casa. É claro que o homem não se deve colocar à margem das tarefas domésticas e deve também ajudar. Tem mau feitio?Não me considero uma pessoa com mau feitio, mas sou muito teimoso. No último fim-de-semana meti na cabeça que tinha de estofar quatro cadeiras. Não correu como eu estava à espera e desatinei por completo. O que me arrelia é ver as pessoas passar ao lado das suas tarefas. É verdade que a juventude dos dias de hoje está perdida?Os jovens interessam-se muito pouco pelo nosso dia-a-dia. O que querem é divertir-se, beber uns copos e deixar os verdadeiros problemas para os outros resolverem. Na minha geração tínhamos um ideal que queríamos alcançar e agora os jovens têm tudo de mão beijada, não precisam de lutar. Não acho que seja uma geração perdida, mas poderiam fazer mais alguma coisa para ajudar o país a andar para a frente. Acha que Portugal vai conseguir sair da actual crise?Toda a minha vida vivi em crise e esta é só mais uma. Tive sempre muitas adversidades ao longo da minha vida, nunca vivi desafogado. Tinha 11 anos quando saí de casa e só via a minha mãe de 15 em 15 dias. Estou convencido que vamos sair, mas não será tão fácil como as pessoas estão a pensar. O que mudava aqui em Alverca?Alverca cresceu demais a nível de blocos de cimento e cresceu de menos a nível de estruturas humanas. Nós não estamos humanizados, passamos ao lado das coisas e não damos por elas. Hoje estive no Centro de Saúde de Alverca e reparei que existe um sem-abrigo a viver nas proximidades. Se existisse uma maior humanidade aquele homem não estava lá. O presidente da Junta de Alverca poderia fazer melhor?Os presidentes de junta estão muito limitados porque as verbas foram cortadas. Há obras que não se deviam ter feito e fizeram. Gasta-se dinheiro em intervenções que não são prioritárias. Já planeou as próximas férias?Há muitos anos que não tenho férias e dificilmente vou ter este ano. Tenho uma loja de rua e teria de fechar a porta, o que seria muito complicado na altura em que estamos. O comércio de rua vive dias negros com a competitividade das grandes superfícies.
Luís António

Mais Notícias

    A carregar...