uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

PS sugere colocação de relvado sintético no campo de futebol do Salvaterrense

Obras no campo actual são uma solução mais viável e económica
Edição de 09.02.2011 | Desporto
Colocar relvado sintético no actual campo de futebol do Clube Desportivo Salvaterrense mantendo toda a estrutura já existente é, para o vereador Hélder Esménio (PS), a solução mais viável e mais económica para aquele espaço desportivo. A ideia do município de Salvaterra de Magos, “como parece indicar o Plano e o Orçamento da autarquia para 2011”, de construir um novo campo de futebol na zona desportiva entre a Metalmagos e o Pavilhão Municipal é, do ponto de vista financeiro, “desfavorável”.“Além de ter que fazer um novo piso de futebol, nova vedação, balneários e sanitários e iluminação ainda tem que arrancar dezenas de árvores o que comporta um custo financeiro e ambiental muito relevante”, critica o vereador socialista. Hélder Esménio recordou ainda que pediu em reunião camarária realizada a 17 de Dezembro de 2010 que a presidente da autarquia, Ana Cristina Ribeiro (BE) colocasse um ponto sobre esse assunto para ser discutido. Até hoje tal pedido não foi atendido.Outra opção que estava em cima da mesa da maioria que dirige a autarquia era a doação de um terreno, por parte da Santa Casa da Misericórdia de Salvaterra de Magos, para construção de um novo campo de futebol para o Clube Desportivo Salvaterrense. “A Misericórdia manteria a posse do resto do terreno e comercializaria cerca de 3500 metros quadrados. Esta opção não é a melhor do ponto de vista financeiro e do ponto de vista urbanístico é a pior. O campo de futebol ficaria ‘entalado’ entre pavilhões já construídos e a Estrada Nacional 118”, destaca Hélder Esménio.Com a ausência da presidente do município, Ana Cristina Ribeiro (BE), na reunião de câmara por motivos de saúde, o vice-presidente da autarquia, César Peixe, referiu que a realização da obra não está esquecida, mas primeiro “temos que ouvir as pessoas correctas para avançarmos com o projecto”.

Mais Notícias

    A carregar...