uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Carlos Chora

30 anos, Técnico de informática, Chamusca

“Há alguns anos não gostava nada de praia. Toda aquela areia e o sal causavam-me irritação. Agora comecei a praticar caça submarina e ultrapassei essa irritação. Passei a ver o mar de outra maneira e agora se passar um mês sem ir ao mar já não me sinto realizado”

Edição de 27.03.2013 | Agora falo eu
Vive o espírito cristão da Páscoa?Vivo. Mas acredito que o podia viver com mais intensidade. Na azáfama do dia a dia deixamos para trás algumas coisas que não devíamos. Contudo não deixo de participar em algumas cerimónias e viver o dia em si com a família.Quanto é que gasta habitualmente em amêndoas e ovos de chocolate?Não gasto quase nada. Sou muito guloso, mas vou mais para os doces tradicionais, umas boas trouxas de ovos. A troika também aperta, mas não é por causa disso que não gasto muito dinheiro em amêndoas ou ovos da Páscoa. Prefiro efectivamente os ovos transformados em trouxas. É uma maravilha.Costuma ajudar nas tarefas domésticas?Ajudo, mas devia ajudar mais. Há certas coisas que sou só eu que faço, como mudar lâmpadas ou fazer instalações de electrodomésticos. Mas noutras situações de limpezas, não vou muito nisso.Já alguma vez pensou em emigrar?Sinceramente já. Eu gosto muito da minha terra e sei por intermédio de algumas pessoas amigas, que são ou foram emigrantes, que quando estamos distantes se sente muito o isolamento. Penso que para mim isso seria uma situação muito difícil de ultrapassar. Os dias de Verão e Primavera que se aproximam puxam pela praia ou prefere outros ambientes?É curioso, há alguns anos não gostava nada de praia. Toda aquela areia e o sal causavam-me irritação. Agora comecei a praticar caça submarina e ultrapassei essa irritação. Passei a ver o mar de outra maneira e agora se passar um mês sem ir ao mar já não me sinto realizado. Mas andar na natureza é um hábito que ganhei nos escuteiros e é ali que me sinto melhor. É uma comunhão quase perfeita.Qual é a portuguesa mais bela do momento?Para ser formalmente correcto direi que é a minha namorada. Sou um admirador da beleza no seu todo. Não é só a beleza exterior que me desperta a atenção. Não há uma mulher que me leve a dizer: esta é a mais bonita de todas. Sou muito crítico na situação de se dizer que uma top model é a mais bonita de todas.A que petisco é que não resiste?Não resisto a uma boa fataça frita. Sou de uma família de pescadores e, talvez por defeito, não resisto a petiscos vindos do rio. Na Quinta-Feira de Ascensão nunca falta um arrozinho de lampreia. Depois da entrada de touros, juntamos a família à volta da mesa e o arroz de lampreia não falta.O que é que faz falta na Chamusca?Falta bairrismo. Faz falta trabalharmos mais para a comunidade. Faz falta um trabalho mais activo na área do associativismo. Faz falta olharmos mais uns para os outros. Faz falta ver o sorriso de uma criança. De que forma é que vive essa questão do associativismo?De uma forma bem actuante. Sou escuteiro há muitos anos. Neste momento sou chefe no Agrupamento de Escuteiros 490 da Chamusca. Somos um grupo grande e forte na amizade e no trabalho especialmente com os mais jovens. É um jovem vaidoso?Considero-me uma pessoa normal. Tento andar o mais simples possível. Gosto de sair bem arranjado de casa, mas não sou nada de exageros.

Mais Notícias

    A carregar...