uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Produtores de vinho de Aveiras não sentiram os efeitos da crise

Os preços subiram e a procura aumentou porque se importou menos e subiram as exportações

Os produtores de vinho de Aveiras de Cima, Azambuja, conseguiram aumentar as margens de lucro no último ano e escaparam à crise. Continua a haver muita procura de vinho e a explicação está na redução da importação. As chuvadas da Páscoa é que levantam preocupações junto dos que vivem do campo.

Edição de 17.04.2013 | Economia
Apesar da crise os produtores de vinho de Aveiras de Cima, Azambuja, têm razões para estarem contentes já que conseguiram vender as produções a um preço mais elevado que no ano passado. O ano foi bom para a colheita e as boas vendas são resultado de uma quebra nas importações. O vinho que nos outros anos chegou a ser vendido por 25 e 33 cêntimos o litro, este ano foi negociado a 52 e até a 60 cêntimos/litro. “Não veio tanto vinho de fora este ano e as empresas procuraram mais os produtores locais para se abastecer”, explica José Cunha, produtor, ouvido por O MIRANTE à margem da última Avinho (ver caixa). José Cunha produziu 6 mil litros. Com uma produção superior, cerca de 12 mil litros, está Manuel Correia, outro produtor da freguesia. “Ainda há muito mercado para o vinho, especialmente o tinto, mas os pequenos produtores continuam a ter algumas dificuldades, apesar de este ano ter corrido bem”, realça.Para Manuel Correia é preciso apostar na modernização das adegas e na evolução do produto para enfrentar os próximos tempos. “Não nos preparámos, não nos adaptámos aos novos tempos. Continuamos a fazer um vinho tradicional numa altura de evolução constante”, sublinha. A sua grande esperança é que os jovens venham a agarrar a terra no futuro e possam dar continuidade ao que os mais velhos produzem com técnicas mais evoluídas.Um dos maiores produtores de vinho de Aveiras de Cima, José António, explica que a culpa para o aumento dos preços está relacionado também com o aumento da procura. “Os russos tiveram um ano muito mau na produção de beterraba e compraram muito vinho em Portugal para destilar. Todos nos aproveitámos dessa situação”, explica o homem que produz anualmente 60 mil litros de vinho. Agora a principal preocupação está nas chuvadas que ocorreram na Páscoa que alagaram a maioria dos campos. “Quando chegar o calor é que vamos ver no que deu”, revela.Adegas deram a provar o seu vinho à populaçãoAs adegas de Aveiras de Cima voltaram a abrir as suas portas e a possibilitar à população provar as novas colheitas, em mais uma edição da Avinho, festa do vinho e das adegas. Entre os dias 12 e 14 de Abril milhares de pessoas participaram na festa onde foram eleitos os melhores vinhos e realizadas noites de fados, concertos e provas de petiscos.

Mais Notícias

    A carregar...