uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Movimento independente avança com candidatura à freguesia de Marinhais

Marco Domingos é o cabeça de lista do movimento Cidadãos Independentes por Marinhais (CIM). O ex-assessor de comunicação da presidente da Câmara de Salvaterra de Magos renunciou ao mandato de deputado do BE na assembleia municipal, mas recusa qualquer mal-estar com o partido.

Edição de 12.06.2013 | Sociedade
Um grupo de cidadãos independentes vai avançar com uma candidatura à Assembleia de Freguesia de Marinhais. Marco Domingos, cabeça de lista dos Cidadãos Independentes por Marinhais (CIM), explica que o grupo nasceu de conversas informais com a ambição de fazer mais pela freguesia. O candidato cessou a sua ligação com o BE. A apresentação pública vai decorrer no sábado, 15 de Junho, pelas 18h00.O candidato à Junta de Marinhais, Marco Domingos, 33 anos, assessor de comunicação e empresário, explica que não tomou a decisão isoladamente. “Em conversa com várias pessoas e perante o descontentamento que vamos sentindo, resolvemos avançar com uma candidatura. Nasceu simplesmente da vontade de fazer mais por Marinhais”, explicou. Marco Domingos que durante seis anos foi assessor de comunicação da presidente da Câmara Municipal de Salvaterra de Magos, Ana Cristina Ribeiro (BE), e que acabou por ser eleito deputado municipal pelas listas do BE nas últimas autárquicas, explica que não existe qualquer mal-estar entre si e esse partido. “Em Abril renunciei ao mandato porque já se tinha começado a formar este movimento apartidário e não faria sentido avançar com uma candidatura independente e continuar ligado ao BE”, revela, acrescentando que “embora tenha discordado de algumas opções, respeita a estrutura do BE”. Marco Domingos também é um dos rostos mais visíveis da Comissão de Festas de Marinhais, mas recusa qualquer tipo de ligação. “Na nossa lista de 19 pessoas existe apenas uma que também está na comissão. Para mim são águas separadas, embora existam muitas pessoas na comissão que seriam válidas. O que nós criamos foi um grupo representativo da população”, esclarece. Segundo o comunicado do movimento, nos últimos anos a população de Marinhais tem assistido à perda de um conjunto de serviços. A freguesia tem no entender do movimento vindo a perder “força e espaço”. O candidato não quis para já adiantar algumas propostas do movimento, criticando apenas a postura “passiva e pouco ambiciosa” do actual executivo socialista que governa a junta. O movimento já tem as assinaturas exigidas por lei, mas ainda está a tratar de todo o processo para poder concorrer. Vai promover alguns debates na freguesia para ir construindo em conjunto com a população o programa eleitoral.

Mais Notícias

    A carregar...