uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Orçamento da Câmara da Golegã aprovado por unanimidade

Orçamento da Câmara da Golegã aprovado por unanimidade

Elaboração dos documentos com a colaboração de todas as forças políticas foi determinante para o consenso
Edição de 08.01.2014 | Política
O orçamento e as grandes opções do plano para 2014 apresentados pelo executivo da Câmara da Golegã foram aprovados por unanimidade na reunião da assembleia municipal realizada no dia 30 de Dezembro. O executivo camarário apostou na colaboração de todas as forças políticas com assento na câmara e assembleia, juntas de freguesia e algumas instituições, aceitando algumas propostas apresentadas.Os documentos previsionais não só foram aprovados por unanimidade como receberam elogios de alguns dos eleitos da assembleia. “Quero louvar este executivo por ter envolvido as juntas de freguesia na elaboração do orçamento e pela aceitação de algumas das propostas que foram dadas. Estamos perante uma nova forma de trabalhar que nos apraz registar, porque não era norma nos executivos anteriores”, disse Vítor Guia, presidente da Junta de Freguesia da Azinhaga.Mais comedido e de algum modo ainda um pouco desconfiado, o presidente da Junta de Freguesia do Pombalinho, Luís Filipe Júlio, reconheceu a vontade em encontrar consensos por parte do presidente da câmara e a forma clara como se desenvolveram os contactos com a sua autarquia. “Vamos ver como vão decorrer as coisas. A reabilitação da Rua de Santo António andou nos orçamentos da Câmara de Santarém durante 15 anos e nunca foi mexida. Vamos ver se agora na Golegã as coisas correm melhor”, disse. Recorde-se que a freguesia do Pombalinho passou recentemente do concelho de Santarém para o da Golegã.Quanto ao orçamento, há a registar alguma contenção. Há uma previsão de receita e despesa de cerca de sete milhões e duzentos mil euros. “Vem na linha de orçamentos dos últimos anos, a diminuição de verbas tem a ver com o facto de termos o Centro de Alto Rendimento de Modalidades Equestres praticamente pronto. Foi um investimento de mais de três milhões de euros que não foi necessário inscrever nos documentos, daí a diminuição de verbas inscritas”, disse o presidente da câmara, Rui Medinas.O autarca garantiu que esta situação não vai impedir que se continue a investir no desenvolvimento do concelho e no apoio a instituições e famílias. “Vamos apostar no apoio à natalidade no concelho da Golegã. Estamos já a estudar formas de apoio aos casais que tenham filhos, para inverter a tendência de diminuição demográfica que se tem vindo a acentuar no concelho”, afirmou Rui Medinas.Por outro lado, estão inscritas nas grandes opções do plano obras nas três freguesias. “No Pombalinho vai avançar a obra de reabilitação da Rua de Santo António, será um investimento superior a 400 mil euros. Na Azinhaga será a obra da reabilitação das margens do Almonda, mais de 800 mil euros, e na Golegã serão feitas intervenções na área do ambiente, nomeadamente na zona do Equuspolis. Nas três freguesias haverá uma obra de referência em cada uma delas”, garantiu o presidente.“Queremos reactivar a Escola de Toureio”No global os documentos foram bem aceites por todas as bancadas, registando-se alguns pedidos de esclarecimentos sobre as verbas inscritas em algumas rubricas. A CDU aludiu à inscrição de uma verba de cerca de três mil euros para a Escola de Toureio, que está desactivada, e quatro mil euros para actividades taurinas, tendo ficado esquecida a Instituição Olé Golegã. O que mereceu um comentário mais assertivo do presidente da câmara.“Não olvidamos o Olé Golegã. Reconhecemos o bom trabalho efectuado pelo grupo e vamos continuar a apoiar as suas organizações. Mas também queremos reactivar a Escola de Toureio da Golegã, queremos que volte a trabalhar para que se mantenha a nossa tradição taurina”, garantiu Rui Medinas.Também o presidente da assembleia, Veiga Maltez interveio para saudar a vontade de reactivar a escola e também para informar que, apesar de desactivada, existem cerca de três mil euros no banco que podem ser colocados à disposição de quem fizer a reactivação. Veiga Maltez é também presidente da assembleia geral da Escola de Toureio.
Orçamento da Câmara da Golegã aprovado por unanimidade

Mais Notícias

    A carregar...