uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Quando saiu da escola não quis ser pintor mas agora passa muitas horas nas pinturas

Há quinze anos que José Laranjinha faz a manutenção da praça de toiros da Chamusca
Edição de 21.05.2014 | Especial Ascensão
Tem a chave da praça de toiros da Chamusca e é ele que trata da manutenção daquele espaço. É assim há década e meia. Faz limpezas, pequenas reparações, caia e pinta o que é necessário. José Laranjinha passa muitas horas sozinho, com o chilrear dos pássaros como música de fundo, num local que apenas conseguimos imaginar cheio de aficionados da festa brava a aplaudir os seus artistas preferidos que muitas vezes actuam ao som de vibrantes olés e de passe-dobles tocados pela banda.Funcionário da câmara municipal, trabalha na praça de toiros nas horas livres, por gosto. Há quem goste de ir à pesca ou de ver televisão. Para José Laranjinha o maior entretém é a quase centenária praça, propriedade da Santa Casa da Misericórdia. “Nasci a 7 de Maio de 1959, na rua Anselmo de Andrade, conhecida por rua da Formiga. A parteira foi a dona Rosa. Tenho uma irmã mais nova que eu cinco anos. Tenho a chave há mais de 15 anos. Comecei por ajudar o António Mira. Foi assim durante cinco ou seis anos. Depois ele adoeceu e acabou por falecer. O senhor Provedor, Fernando Barreto, perguntou-me se eu queria ficar e aceitei. Agora trato dos assuntos com o senhor Manuel José Moedas que é a pessoa da Misericórdia que tem a praça à sua responsabilidade”. Não é por dinheiro que José Laranjinha faz o que faz. É por gosto. Por dedicação. Há pessoas que chamam a si tarefas que sentem ter-lhes sido destinadas. “Não sei explicar melhor. Faço o que faço porque gosto de fazer. Sei que já há poucas pessoas assim. Aqui a praça tem um grupo de amigos. Eles só lá vão nos dias da corrida. Fazem um trabalho que não se vê. Pesam e separam os animais, ordenam-nos nos curros, abrem-lhas as entradas para a arena e recolhem-nos depois de lidados. Eu passo por lá com frequência. Já pintei a trincheira, caiei o muro. Pintei as portas. Está quase tudo a postos para a corrida de Quinta-feira de Ascensão”.Ri-se com gosto quando se lembra que depois de sair da escola foi aprender a profissão de pintor mas desistiu ao fim de um ano. “Como não gostava daquilo fui trabalhar para o campo. Depois fui dar serventia a pedreiros e dali para a câmara. Comecei com 16 anos. Para fazer o ensino básico foi um castigo. Saí da escola com 14 anos. Já era quase professor!” volta a rir-se com vontade. A conversa com O MIRANTE decorre ao fim da tarde num café da vila cheio de pessoas que quase têm que gritar para se fazer ouvir, emparedadas entre o som da televisão e o barulho infernal do moinho de café que engole todas as conversas de cada vez que começa a funcionar. A história da ida à tropa é outra das que José Laranjinha conta com gosto. “Fui às sortes a Coimbra em Janeiro de 1979. Fiquei apto. Passado algum tempo foi um GNR a minha casa dizer para me apresentar no posto. Cheguei lá e disseram-me que passava à reserva. Nessa altura pagava-se uma taxa anual até se fazer 45 anos. Eram 60 escudos. Decidi pagar tudo de uma vez. Fui bruto. Passados dois ou três anos a taxa foi abolida e fiquei sem o dinheiro”. Foi trabalhar para a câmara no final daquele ano, a roçar ervas. Tinha 22 anos. Casou aos 28. “Casei, não. O padre Diogo é que me casou”. Conta que foi forcado durante vinte anos. Durante esse tempo partiu umas costelas e um pé. Agora arranja tudo bem arranjadinho mas já não salta para a arena ao som do cornetim. “Já uma vez pintei as bancadas todas. Dividir os lugares e fazer a numeração foi o mais custoso. Andei ali de cócoras, dias e dias”. E a quem passará a chave da praça quando já não puder ou quiser fazer mais o que lá faz? “Não sou insubstituível mas não sei quem me irá substituir”.

Mais Notícias

    A carregar...