uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Arlete Piedade Louro publica mais um livro de crónicas

Poeta de Abrã apresentou “Era no tempo de…” na Sala de Leitura Bernardo Santareno, em Santarém
Edição de 02.07.2014 | Sociedade
Arlete Piedade Louro, publicou mais um livrinho, intitulado “Era no tempo de…”. Trata-se de uma compilação de crónicas que foi escrevendo ao longo dos últimos nove anos. A sessão de apresentação realizou-se a 21 de Junho, na Sala de Leitura Bernardo Santareno, em Santarém, e contou com a presença de três dezenas de amigos, que fizeram questão de cumprimentar Arlete Piedade Louro por mais esta iniciativa.A apresentação do livro ficou a cargo de José Raimundo Noras que elogiou as crónicas da amiga Arlete Louro. “Quando li o livro senti logo que também pertencia a estas histórias que nos remetem para uma série de memórias de infância e recordações antigas”, disse. O jovem historiador e poeta destacou a crónica intitulada “No tempo de Santarém - A biblioteca municipal e os primeiros livros de adulta” com a qual, diz, se identificou logo. “A crónica fala de Walter Scott, o escritor inglês do século XIX, que mais marcou a Arlete. Também eu devorei os livros deste escritor”, contou. José Noras falou também do poema que a poeta popular escreveu sobre os “Avós”. Susana Stoffel, professora de Português na Escola D. João II, em Santarém, foi a responsável pela revisão do livro. Conheceu Arlete Louro através de uma amiga comum e afirma que a leitura de “Era no tempo de…” permitiu-lhe viajar no tempo. “Muitas destas crónicas falam de situações que não vivi mas que me foram contadas pelos meus avós e pelos meus pais. Ao ler o livro senti-me transportada no tempo. Algumas crónicas fazem-nos lembrar o país que fomos e que somos”, referiu.São cinco dezenas de crónicas que falam de vários temas, entre eles “No tempo da apanha da azeitona”, “No tempo do Dia da Espiga”, “No tempo das tabernas”, “No tempo das lojas da aldeia”, “No tempo dos candeeiros a petróleo”. A sessão de apresentação de “Era no tempo de…” terminou com a actuação do Grupo de Cantares Tradicionais de Abrã, localidade de onde é natural Arlete Piedade Louro.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...