uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Tomar é o concelho onde a factura da água é mais elevada

Ferreira do Zêzere, Abrantes, Entroncamento e Vila Nova da Barquinha integram o leque dos cinco mais caros. Os habitantes que pagam menos são os da Golegã.

Edição de 26.11.2014 | Economia
Um consumidor do concelho de Tomar paga 28,12 euros por mês pelo consumo de 10 metros cúbicos de água (m3). É o valor mais elevado do distrito de Santarém. O valor resulta da soma do custo da água (14,44) mais a taxa de saneamento (9,68) e a taxa de recolha de resíduos (4,00). Nos cinco primeiros lugares dos municípios que mais cobram pela água, saneamento e resíduos, estão Ferreira do Zêzere (27,75), Abrantes (22,77), Entroncamento (21,37) e Vila Nova da Barquinha (21,05). Todos pertencem à sub-região do Médio Tejo.Os dados são da Entidade Reguladora para os Serviços de Águas e Resíduos (ERSAR), dizem respeito aos preços praticados em 2013 e foram divulgados pelo jornal Público. Os municípios onde os consumidores pagam menos são Golegã, onde ao consumo de 10 m3 corresponde uma factura de 11,05 euros (4,35 de água, 2,84 de saneamento e 3,86 de resíduos), Chamusca (14,18), Benavente (15,06), Coruche (15,07) e Mação (15,30).Nos dois concelhos do norte do distrito de Lisboa que fazem parte da área de abrangência de O MIRANTE, há uma grande diferença de preços. Em Vila Franca de Xira, a factura da água é a mais baixa de todo o distrito e um consumidor que consuma 10 m3 paga 15,80 euros (11,43 da água, 2,66 do saneamento e 1,71 dos resíduos). Em Azambuja, concelho que não integra a lista dos cinco a nível distrital onde os serviços são mais caros, o preço mensal é de 23,60 euros (13,75 + 4,85 + 5,60).A previsão é de agravamento dos preços que, nos últimos três anos subiram 12% em média a nível nacional. Há municípios que ainda não calculam as tarifas da água, saneamento e resíduos de forma a cobrir todos os custos que têm com estes serviços, como recomenda a ERSAR, mas essa situação vai acabar porque a recomendação vai passar a imposição. A partir de 2016 para os resíduos e a partir de 2017 para a água.

Mais Notícias

    A carregar...