uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Moradores e comerciantes criticam mudanças no estacionamento no centro de Coruche

Moradores e comerciantes criticam mudanças no estacionamento no centro de Coruche

Medidas de ordenamento em todo o centro histórico da vila e proposta de taxação do estacionamento no Largo da Liberdade estão a ser muito criticadas por parte de quem mora e trabalha na zona.

Edição de 04.02.2015 | Sociedade
É com desconfiança e resistência que moradores, comerciantes e trabalhadores do centro histórico de Coruche estão a ver o projecto de revitalização e ordenamento do estacionamento no Largo Porto João Ferreira e um pouco por toda a zona central de Coruche, apresentado num fórum realizado na Câmara de Coruche, na tarde de 28 de Janeiro.“Este projecto traz ainda muitas questões por resolver”. A crítica surgiu da parte de um jovem residente no centro da vila, Tiago Vieira. Formado em arquitectura, Tiago considera que a própria distribuição dos estacionamentos não está bem pensada e que na planta do projecto “ainda é tudo muito incerto”, dando como exemplo uma zona da planta em que estão representadas árvores onde na realidade são garagens.“Com este tipo de estacionamento o mais certo é fecharmos a porta”, afirmou José Meirinho, da Casa do Benfica de Coruche, salientando que “o comércio já é pouquinho” e que este é um problema que se vai agravar com a possível deslocalização da Farmácia Frazão para Benavente. “Estamos só a falar de estacionamento. E as pessoas? E a segurança dos carros?”, questionou um munícipe. “Acha bem as pessoas com mobilidade reduzida irem estacionar o carro a 500 metros quase?”, interrogou outro cidadão. Perante tantas críticas, o presidente da autarquia, Francisco Oliveira (PS), lembrou que o Largo Porto João Ferreira tem um “parque de estacionamento completamente grosseiro, desqualificado, que tem problemas de escoamento cada vez que chove” e salientou a necessidade de ordenar e delimitar o estacionamento nessa área que serve comerciantes e moradores das redondezas.As obras no Largo Porto João Ferreira começaram no final de 2014 e deverão ser executadas num prazo de 240 dias. “Queremos que tudo esteja concluído antes das festas de Nossa Senhora do Castelo em Agosto”, adiantou Francisco Oliveira. A empreitada, adjudicada à empresa Miraterra - Obras públicas, Lda no valor de 409.391.41 euros, é a principal requalificação prevista no projecto “Os caminhos pedonais do centro histórico”, que visa requalificar toda a estrutura entre a Igreja Matriz e o Largo de Santo António. Ao longo destas áreas urbanas, a autarquia pretende substituir os colectores das redes fluviais e as condutas de abastecimento de água, ajustar os limites dos passeios e efectuar outras requalificações.Ainda no que diz respeito ao estacionamento, Francisco Oliveira adiantou que a Câmara de Coruche está a encetar negociações com os proprietários de espaços em ruínas ou sem construção para fazer nesses locais mais lugares para parque automóvel. Até ao momento foram identificados pela autarquia 21 lugares em todo o centro histórico.Estacionamento pago na Praça da LiberdadeTaxar o estacionamento na Praça de Liberdade, em frente ao edifício da Câmara de Coruche, é outra das medidas que a autarquia quer implementar. A informação foi adiantada pelo presidente da câmara no mesmo fórum. O estacionamento vai assim passar a estar condicionado por uma cancela e a ser pago após 30 minutos de utilização. Uma medida que, na opinião de Francisco Oliveira, vai “dissuadir quem trabalha nesta zona e deixa aqui o carro estacionado um dia inteiro das 09h00 às 17h00”, permitindo “criar melhores condições a quem quiser ir ao centro histórico tratar de pequenos assuntos”.Da parte de moradores e comerciantes a resistência e as críticas voltaram a ouvir-se. Muitos lembraram o autarca que esta situação vai criar uma espécie de “bola de neve” porque os trabalhadores que não têm possibilidade de estar a pagar estacionamento um dia inteiro vão acabar por estacionar os veículos nos lugares mais próximos, “roubando” assim os reduzidos lugares que os moradores e os comerciantes vão ter à porta das suas casas e estabelecimentos na sequência deste projecto de ordenamento do estacionamento.
Moradores e comerciantes criticam mudanças no estacionamento no centro de Coruche

Mais Notícias

    A carregar...