uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
“Não tenho medo da crise nem dos desafios que ela possa levantar”

“Não tenho medo da crise nem dos desafios que ela possa levantar”

Cláudia Pimentel, 32 anos, directora da agência Remax, Benavente

Natural de Salvaterra de Magos, Cláudia Pimentel é uma sonhadora que traça a sua vida por objectivos. Nasceu para os números e sempre quis ser gestora. Viu a crise como uma oportunidade e venceu. Não tem segredos e luta todos os dias por se superar a si própria. Dedica-se por inteiro à empresa e trabalha uma média de 10 horas por dia. Nos tempos livres gosta de praticar desporto, ler e estar com os amigos. Diz que os empresários têm de ser pró-activos, dinâmicos e ambiciosos.

Edição de 29.04.2015 | Três Dimensões
Sou filha de empresários e desde a infância que sonhava ser gestora. A minha mãe é florista e o meu pai tem uma funerária. Acho que tenho os melhores pais do mundo, deram-me sempre apoio incondicional e estão sempre ao meu lado. Nasci para os números e para gerir, para assistir ao crescimento de uma empresa, atingir objectivos, formar uma equipa e reconhecer o trabalho que é feito. Essa é uma coisa importante que poucas empresas têm. Faço questão que exista na minha. Cresci em Salvaterra de Magos mas vim para Benavente fazer o secundário. Tenho aqui amigos e sempre me fascinou Benavente. O carisma desta terra é ser pequena, toda a gente se conhece uns aos outros, há um grande espírito de entreajuda no comércio tradicional. Lancei-me num negócio próprio por minha conta e risco em Setembro de 2008. Já tinha entrado na Remax em 2005 mas descobri que enquanto trabalhamos por conta de outrem 80 por cento dos nossos resultados servem para enriquecer o patrão e só o resto é para o nosso salário. Decidi inverter esse cenário. Já era um sonho que tinha e apostei nele. Apanhei o início da crise, o seu pico foi no final de 2010, mas não tenho medo dela. A crise foi o melhor que me pôde acontecer. Acredito que não houve uma crise de imobiliário mas sim uma crise financeira. Os bancos cortaram o financiamento e sem ele as vendas descem. Mas nós rapidamente nos adaptámos, somos flexíveis e acabou por ser fácil. Criámos campanhas de saldos para as casas. É sempre um sucesso, toda a gente gosta de uma boa oportunidade. Durante muito tempo achava que estávamos em crise, mas analisando pormenorizadamente vejo que o que há é uma crise de valores. Não tenho segredos e tento sempre ser melhor todos os dias. Dedico-me por inteiro à empresa e passo muitas horas a trabalhar, vivo e respiro a empresa. Em picos de maior trabalho chego a fazer entre 12 a 14 horas de trabalho. Uma média de 10 horas por dia. Trabalho sempre que é necessário, seja aos fins-de-semana ou feriados. Acredito que aqui não temos problemas, temos desafios. Mas não dormem comigo. Consigo separar bem as coisas, quando saio da porta deixo os desafios dentro da empresa. Tal como os desafios pessoais não entram cá dentro. Às vezes precisamos de sair da empresa para criar um estado de espírito e discernimento para encontrar a melhor solução para fechar um negócio. As casas são um bem de primeira necessidade. Trabalho em Benavente, Salvaterra e Coruche. Estamos a escriturar e a facturar bem. Há muita gente de fora a querer viver aqui. Um empresário tem de ser pró-activo, dinâmico e ambicioso senão não tem sucesso. Os clientes estão cada vez mais exigentes e informados e temos de satisfazer essa sede de informação. Este já não é o negócio do amigo que conhece um amigo. Há a necessidade de ter confiança. A confiança é o bem mais valioso que uma família pode ter. Uma vez um cliente mandou-me uma mensagem a agradecer o profissionalismo que demonstrei em todo o negócio e até acabei a almoçar com ele e a família num domingo. Isto é muito gratificante. Gosto muito de dar um bocadinho de mim para criar pontes de confiança com os meus clientes.Nos meus tempos livres gosto de ler e fazer desporto. No desporto prefiro correr e fazer algum ginásio. E gosto de ler porque, da mesma forma que comemos para alimentar o corpo, eu leio muito para alimentar a mente. Leio de tudo, mas gosto sobretudo de livros de enriquecimento pessoal, motivação profissional, coaching, liderança e gestão. Umas férias de sonho têm de ser num sítio paradisíaco para relaxar a sério, com praias e palmeiras. Em Portugal adoro a zona norte e o Porto. Felizmente ainda me lembro da última vez que tirei férias. De resto sou como o comum dos mortais: gosto de ir ao cinema e estar com amigos, conversar, conviver e partilhar. Tenho uma grande sede de aprender, não só de ensinar, o que faço diariamente é ensinar e criar talentos dentro da minha empresa. Por isso, quando posso, gosto de ficar a ouvir e a aprender algo.Sou uma sonhadora que define muito bem os seus objectivos. Ainda sonho viajar muito e tenho a grande ambição no ramo da gestão de impulsionar muito mais a minha empresa. Vivo sozinha e safo-me bem na cozinha. Não passo fome (risos). Gosto muito do espírito zen. A minha actividade é muito enérgica por isso quando estou em casa gosto de estar calma, no meu cantinho, a meditar.
“Não tenho medo da crise nem dos desafios que ela possa levantar”

Mais Notícias

    A carregar...