uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Município do Cartaxo vai continuar sem serviço de fotografia

Edição de 13.05.2015 | Sociedade
O Município do Cartaxo vai continuar a não ter serviço de fotografia, depois de em Novembro do ano passado ter optado por rescindir com esse serviço. O presidente da autarquia, Pedro Magalhães Ribeiro (PS), levou novamente uma proposta para a contratação deste serviço pelo prazo máximo de oito meses e cinco mil euros + IVA, tendo sido cabimentado o montante previsto para a despesa em 2015. No entanto, à semelhança do que aconteceu no final do ano passado, Pedro Ribeiro referiu que só avançava com a proposta se houvesse unanimidade de todas as forças políticas. Como isso não aconteceu, o ponto foi retirado, não tendo sido aprovado.Os vereadores do PSD disseram não estar disponíveis para aprovar o ponto uma vez que consideram que cinco mil euros “é muito dinheiro” para muita gente. “Esperamos que este assunto não venha mais vezes a reunião de câmara”, disse Paulo Neves (PSD). Pedro Ribeiro criticou a decisão dos vereadores do PSD recordando que “há seis meses” estiveram disponíveis para a proposta pontual dos serviços de fotografia por 12 mil euros e que agora, que o valor é mais baixo, não aceitam. “Há muita incoerência política por parte do PSD”, referiu.Também o movimento independente Paulo Varanda - Movimento Pelo Cartaxo (PV-MPC) -, nomeadamente o ex-presidente da Câmara do Cartaxo, Paulo Varanda, foi alvo das criticas de Pedro Ribeiro. “Quando era presidente, Paulo Varanda entendeu gastar 16.800 euros mais IVA em serviços de imagem e edição. No dia seguinte às eleições achou que o assunto já não era importante. Estão a ser muito incoerentes”, sublinhou, acrescentando que podia trazer esta proposta com outro nome, que passasse despercebida, mas fê-lo em “nome da transparência”. “É um serviço para eventos em que é importante o registo fotográfico para ficar para a história do concelho”, disse. Paulo Neves disse ainda que esta proposta era uma “afronta” e que “migalhas também são pão”, acrescentando que hoje em dia não é preciso ser-se profissional para tirar fotografias.O Município do Cartaxo deixou de ter serviço externo de fotografia e design gráfico desde o início deste ano, depois da proposta de contratação destes serviços ter sido chumbada em assembleia municipal no final do ano passado.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...