uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Descobertas mais dívidas “inesperadas” na Câmara do Cartaxo

Edição de 24.06.2015 | Sociedade
O actual executivo municipal do Cartaxo, liderado por Pedro Magalhães Ribeiro (PS), “descobriu” mais uma dívida do anterior mandato, quando era presidente Paulo Varanda. Desta vez são cerca de 19 mil euros que a autarquia deve à Assembleia Distrital de Santarém (ADS) por falta de pagamento de quotas a essa entidade que se encontra em vias de extinção. A ADS é composta por todos os municípios do distrito de Santarém e em Setembro do ano passado aprovou passar o seu património para a Associação de Municípios do Vale do Tejo, que está em fase de constituição. O município cartaxense vai agora tentar alicerçar estas dívidas em pareceres técnicos e jurídicos para conseguir resolver a situação e pagar o que deve.O presidente da Câmara do Cartaxo afirma a O MIRANTE que esta dívida é “apenas uma entre muitas” que têm aparecido nos últimos tempos. “A maioria destas dívidas não tem documentação legal, estamos de mãos atadas. Noutras vamos tentar encontrar enquadramento legal para podermos resolver o problema”, justifica. Pedro Ribeiro conta que nos mandatos anteriores ao seu não havia requisições e que estas eram feitas através de email, mensagens de telemóvel ou mesmo através de mensagem na rede social facebook. “Por exemplo, existem várias requisições a uma empresa de comunicação e imagem que foram feitas através do facebook. Não temos instrumentos legais para pagar estes serviços. Ao todo são cerca de 60 mil euros deste tipo de dívidas que apareceram nos últimos tempos”, garante.O autarca conta também que “no anterior mandato” o executivo de Paulo Varanda deixou caducar o contrato de arrendamento do campo de futebol do Sport Lisboa e Cartaxo. “Andaram a pagar rendas sem instrumento legal, depois deixaram de pagar. Existe um conjunto de assuntos que estão completamente embrulhados porque os procedimentos legais não existiram”, critica.

Mais Notícias

    A carregar...