uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Os jornais e a selva

Edição de 27.01.2016 | Opinião
Nos últimos tempos alguns comentadores da vida política entretiveram-se a escrever sobre os jornais e a Comunicação Social em geral. Está na moda discutir os media e o assunto é apetecível porque a publicidade, o grande sustentáculo dos jornais, caiu ao nível da sarjeta. Já ninguém vive nas suas torres de marfim. A realidade a preto e branco chegou para todos.Como é normal a grande maioria entende, e defende, que as grandes empresas devem considerar serviço público o apoio à edição levando os prejuízos à conta dos grandes lucros nas actividades principais. Em teoria é muito bonito. Na prática é o que já acontece há muitos anos, desde que existe imprensa e se tornou necessário inventar formas de defender os interesses, às vezes inconfessáveis, de determinados grupos económicos e políticos sem olhar a misérias.Ninguém escreve sobre a falta de qualidade da informação nem da falta de preparação dos jornalistas. Já ninguém põe em dúvida que a informação se tornou num vendável de banalidades repetidas por todos os escribas a trabalhar em bando atrás de ministros, ex-ministros, banqueiros e outras espécies do nosso zoológico europeu.Cada dia que morre um velho morre mais um leitor de jornal em papel. É assim nos últimos 40 anos com os jornais de referência a inventarem todos os dias formas de esconderem as tiragens miseráveis que já não pagam as despesas da impressão e muito menos o valor do papel.É um gozo ler os homens públicos que enchem páginas inteiras de artigos de opinião a escreverem para eles próprios e meia dúzia de amigos. E o gozo é maior ainda quando damos conta que, em teoria, eles já não escrevem para os animais do zoológico: eles são os últimos animais da selva e, embora em cativeiro, procuram sobreviver como melhor sabem escrevendo e comentando na televisão.O resultado das eleições presidenciais confirmaram aquilo que está escrito nas estrelas. Os portugueses riem do Tiririca brasileiro mas logo que lhes dão uma oportunidade votam no Tino de Rans. Jerónimo de Sousa e os seus amigos de Alpiarça e Vila Franca de Xira precisam aprender a lição ou um dia destes vão passar à História. JAE

Mais Notícias

    A carregar...