uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Escultura de meio milhão em Fátima está a transformar-se numa embrulhada para o escultor

Escultura de meio milhão em Fátima está a transformar-se numa embrulhada para o escultor

Autor do maior coração do mundo ainda não recebeu nem sabe quem vai pagar o trabalho

Edição de 19.07.2017 | Sociedade

Fernando Crespo quando fez em tempo recorde a escultura do maior coração do mundo, instalada em Fátima, não imaginava que os elogios e o entusiasmo do presidente da Câmara de Ourém se transformassem numa dor de cabeça. O escultor da peça, com o valor de meio milhão de euros, não só não recebeu pelo seu trabalho como está enredado numa teia de indefinições em que ninguém quer assumir os custos do fabrico da obra, já para não falar nos trabalhos de instalação que rondaram os 25 mil euros.
A Câmara de Ourém fez alarde da importância da peça mas depois de inaugurada pelo presidente da autarquia, Paulo Fonseca (PS), desvinculou-se da situação mandando o escultor falar com uma empresa que iria financiar a obra, que entretanto passou o assunto para outra entidade, e até agora nem acordo nem dinheiro. O escultor esclarece que Paulo Fonseca lhe deu luz verde para avançar com a construção da peça escultórica, o que teve de fazer em praticamente metade do tempo que em circunstâncias normais demoraria.
Com a pressa de cumprir o calendário para a visita do Papa, a única coisa que está passada a escrito é uma proposta de acordo com a câmara, aprovada em reunião do executivo de 3 de Março. Na altura, o vereador do PSD, Luís Albuquerque, levantou dúvidas quanto ao valor da peça e ao financiamento da mesma. A ideia era a empresa pagar a peça e ficar com os direitos de autor. Paulo Fonseca respondeu que quem procurou o mecenas foi o escultor, tendo a câmara aceitado o financiamento.
“A relação do município é exclusivamente com o escultor e não com essas empresas. O nosso acordo foi apenas com o escultor”, sublinhou então Paulo Fonseca. Mas Fernando Crespo diz agora a O MIRANTE
que foi Paulo Fonseca que lhe apresentou os financiadores numa reunião em Lisboa e que no regresso foi de boleia com o presidente no carro deste.
O escultor, contactado por O MIRANTE, diz que sente um “desconforto muito grande” e manifesta “apreensão” porque, sublinha, “as entidades que se propuseram financiar a peça não o fizeram”. Fernando Crespo diz que avançou com a construção da peça porque “tinha a confirmação da câmara de que havia uma entidade financiadora” e que continua disponível para ceder os direitos de autor a quem quiser ficar com a propriedade da escultura.
A situação está a criar complicações a Fernando Crespo, já que tem despesas para liquidar com a empresa metalomecânica com quem costuma trabalhar e onde foi feita a peça, além dos custos de transporte para Fátima. A escultura tem cerca de 12 metros de altura e 12 de largura e é uma homenagem ao Papa Francisco, como forma de assinalar a sua visita a Fátima e marcar o centenário das aparições. Na altura da inauguração, a 10 de Maio, dois dias antes da chegada o Papa a Portugal, o presidente da câmara elogiou a obra, dizendo que esta “nos toca pelo seu significado estético, pela sua importância artística e pela sua dimensão universal.

Escultura de meio milhão em Fátima está a transformar-se numa embrulhada para o escultor

Mais Notícias

    A carregar...