uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Novos ecopontos com sensores para acabar com lixo acumulado em VFX
Alberto Mesquita visitou novas ilhas ecológicas que estão a ser colocadas no concelho

Novos ecopontos com sensores para acabar com lixo acumulado em VFX

Município quer acabar com todos os contentores à superfície no seu território até 2024. Na última semana foi anunciado um investimento de 1,3 milhões de euros e reforços na contratação de pessoal para a recolha.

Edição de 17.06.2020 | Sociedade

O concelho de Vila Franca de Xira vai ter, até final do próximo ano, 205 novas ilhas ecológicas com sensores, destinadas à deposição de resíduos para reciclagem mas também de lixo indiferenciado, que servirão de alternativa aos contentores verdes. Esta é uma das novidades do pacote de medidas anunciadas pelo presidente do município, Alberto Mesquita, na manhã de 1 de Junho, quando o autarca expressou a ambição de acabar com todos os contentores à superfície até 2024.
No total, Vila Franca de Xira vai investir 1,3 milhões de euros na guerra contra o lixo acumulado nas ruas. 145 ilhas ecológicas vão ser colocadas no concelho nos próximos dois meses, representando um investimento de 880 mil euros. “Depois, em 2021, faremos um investimento de mais 470 mil euros para colocar mais 60 equipamentos”, explicou Alberto Mesquita durante uma visita simbólica a uma das novas ilhas ecológicas, situada na Castanheira do Ribatejo.
As novas ilhas ecológicas estão munidas de sensores que permitirão ao município monitorizar a recolha de lixo e melhorá-la nos locais onde isso seja necessário. Um software vai recolher dados sobre o nível de enchimento das ilhas ecológicas através de sensores colocados dentro dos mesmos. Os dados são depois processados pelo sistema.
Nos últimos meses, recorde-se, têm sido notícia e alvo frequente de queixas dos moradores, os diferentes problemas na recolha de lixo, seja em contentores que passam demasiado tempo cheios seja na deficiente recolha de monos domésticos.
Alberto Mesquita voltou a defender que o serviço de recolha de lixo deve manter-se na esfera pública e deu nota da intenção de continuar a contratar trabalhadores para o serviço de recolha. “São concursos que vamos continuar a desenvolver em contínuo”, garantiu, apelando também à boa gestão dos resíduos por parte da população.

Novos ecopontos com sensores para acabar com lixo acumulado em VFX

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido