uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Samora Correia tem uma escola diferente a combater o abandono escolar
Escola de Segunda Oportunidade, em Samora Correia, pretende combater abandono escolar precoce

Samora Correia tem uma escola diferente a combater o abandono escolar

O abandono precoce da escola atingiu um mínimo histórico em Portugal, mas a luta não está ganha. No concelho de Benavente, onde 900 jovens desistiram de estudar, há um projecto com um modelo de ensino inovador. Chama-se Escola de Segunda Oportunidade, fica em Samora Correia e está a mudar o rumo de dezenas de jovens.

Edição de 23.07.2021 | Sociedade

Há dois anos Marta Lopes entrou desconfiada, hesitante em voltar a sentar-se numa sala de aula, ouvir e tentar aprender. Não por achar que não era capaz, mas porque tinha medo que os professores desistissem dela e se tornasse invisível aos seus olhos. O que encontrou na Escola de Segunda Oportunidade, em Samora Correia, desfez por completo essa ideia. Neste projecto destinado a jovens que não se encaixaram no ensino regular, sente a liberdade, o apoio e a motivação para continuar e concluir com sucesso o segundo ano do Programa Integrado de Educação e Formação (PIEF).

Marta Lopes é de Samora Correia e tem 17 anos. No final deste ano lectivo estaria a concluir o ensino secundário, caso não tivesse posto a escola para trás das costas antes de terminar o sétimo ano. Já tinha chumbado mais de três vezes. Faltava às aulas, perdia as matérias, tinha dúvidas mas vergonha de as colocar. Sentia-se “excluída e ignorada pelos professores”. Preferia estar fora da escola a divertir-se com amigos. “Lá dentro não me sentia bem”, recorda.

Foi um antigo professor quem lhe apresentou a Escola de Segunda Oportunidade onde, para a jovem de cabelos loiros, “as aulas não são maçadoras e os professores arranjam sempre uma forma diferente de ensinar”. Por isso, ali ninguém estranha quando é pedido que deixem a sala de aula para calcular quantos metros de rede são precisos para vedar o canteiro da jardinagem em vez de se explicar que para calcular o perímetro se usa a fórmula: duas vezes “pi” vezes o raio.

Na aula de Comunicar em Inglês a professora Tânia Silva utiliza as instruções de jogos de computador para ensinar vocabulário. “O objectivo é conseguir cativá-los através de algo que seja do interesse deles, para que deixem de ver o Inglês como um bicho de sete cabeças sem utilidade”, explica a docente com 17 anos de serviço, que lecciona a disciplina no ensino regular no Agrupamento de Escolas de Samora Correia.

Sempre que há troca de escola é preciso mudar o chip, pois os modelos de ensino são completamente diferentes. E os alunos também. “Cheguei receosa e admito que não é fácil, mas melhora a partir do momento em que conseguimos estabelecer uma relação de confiança e proximidade com estes jovens”, diz a docente.

Valorizar o que os alunos sabem

O segredo para cativar os 23 jovens até aos 18 anos que integram os dois grupos do PIEF é mesmo esse: “criar condições para que se sintam bem e voltem no dia seguinte”, sublinha o coordenador pedagógico do projecto, Paulo Eira. O grau de flexibilidade e liberdade é maior, o programa pensa os interesses e a vocação dos alunos e o ensino é mais individualizado. O ritmo é o de cada um e faz-se sem a pressão de extensos manuais a serem debitados ao longo de 90 minutos.

“Estamos a falar de jovens que têm pelo menos três retenções numa idade muito baixa. É muita agressão do ensino regular ou, se quisermos, de massas que parte do princípio que todos vão conseguir aprender”, diz o professor acrescentando que muitos abandonam a escola “porque se cansaram de ouvir que não sabem e não aprendem”.

Aos professores que ali são colocados pelo agrupamento de escolas é pedido que “não se agarrem ao que os jovens não sabem ou quando não vêm, mas que se valorize o que sabem e sempre que não faltam”. O ideal, avança Paulo Eira, seria que os docentes se interessassem e quisessem participar de livre vontade neste projecto ao invés de serem colocados mediante os furos que têm nos horários do ensino regular. Mas este modelo de ensino, reconhece, “não é para qualquer um”.

O objectivo do projecto que pertence à rede europeia de educação de segunda oportunidade, criado há dois anos pela Fundação Padre Tobias em parceria com a Câmara de Benavente e o Ministério da Educação, é combater o abandono escolar precoce. Foi pensado, explica o presidente da direcção da Fundação, Rui Domingos, “para quebrar o ciclo das famílias que vêm há várias gerações a pedir apoios” por falta de capacidade económica e onde “não há investimento na educação”. Oferece-se uma intervenção sócio-educativa durante um ano ou dois com certificação do sexto ou nono ano - caso haja aproveitamento - com possibilidade de regresso ao ensino regular (opção menos escolhida), de apoio ao ingresso no mercado de trabalho ou encaminhamento para formação profissional. Antes da conclusão do PIEF todos os alunos fazem formação em contexto de trabalho através de estágios numa área que seja do seu interesse.

Abandono baixa mas o problema persiste

Portugal registou em 2020 a taxa (8,9 por cento) de abandono escolar precoce mais baixa desde que há registo, segundo o Instituto Nacional de Estatística. Falando em números são entre “200 a 300 mil jovens em abandono no país e entre 600 a 900 no concelho de Benavente”, alerta Rui Domingos, informando que a Escola de Segunda Oportunidade em parceria com os agrupamentos de escola estão a trabalhar num novo levantamento.

Em dois anos este projecto certificou cinco dos 23 jovens com o sexto ano e dois com o nono. Os treze que optaram por fazer o curso de dois anos continuam e têm este ano lectivo dez novos colegas. Duas jovens abandonaram o projecto. O objectivo é chegar a cada vez mais jovens e abrir cursos de educação e formação para adultos previstos no despacho normativo que regula o programa de intervenção denominado Segunda Oportunidade.

Também Tomar vai ter uma Escola de Segunda Oportunidade. O projecto está a ser coordenado pelo Agrupamento de Escolas Templários, em parceria com a Câmara de Tomar, Centro de Integração e Reabilitação e a Santa Casa da Misericórdia de Tomar.

Samora Correia tem uma escola diferente a combater o abandono escolar

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido