uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Sócios do CBEI não desistem da luta para destituir direcção
Pais de alunos do CBEI na última manifestação contra a actual direcção, no dia da liberdade (foto DR)

Sócios do CBEI não desistem da luta para destituir direcção

Pais e sócios não desistem de tentar convocar uma assembleia para votar a destituição dos órgãos sociais, que acusam de serem os responsáveis pela degradação da instituição de Vila Franca de Xira. Direcção fala em “ataque permanente” que dificulta a gestão.

Edição de 23.07.2021 | Sociedade

Um grupo de pais e sócios do Centro de Bem-Estar Infantil de Vila Franca de Xira (CBEI) entregou a 31 de Maio, ao presidente da mesa da assembleia geral, um novo pedido para a realização de uma assembleia-geral extraordinária, para se discutir o estado actual de “degradação da instituição” e destituir a actual direcção. Este passo é mais um capítulo do braço-de-ferro entre os sócios e a direcção que está para durar.

“É urgente que se dê a palavra aos sócios, que haja eleições e que quem gosta e defende o CBEI pegue na instituição e lhe devolva rumo”, escrevem em comunicado depois de já terem pedido anteriormente o agendamento de duas reuniões extraordinárias, recusadas pela mesa da assembleia.

O grupo, que diz agir sob o mote “salvar o CBEI”, considera que a actual direcção, liderada por Gil Teixeira, é responsável pela “redução drástica do número de crianças” a frequentar a creche (de 400 caíram para menos de metade), de um “aumento incomportável das mensalidades no início deste ano lectivo” e falta de resposta às tentativas de contactos feitas pelos encarregados de educação das crianças.

Acusam ainda a direcção de desrespeitar os trabalhadores, através de processos disciplinares, despedimentos e do não pagamento do subsídio de Natal, que continua em atraso. E exigem rigor e transparência na gestão que, apesar dos apoios recebidos da Câmara de Vila Franca de Xira, Segurança Social e Ministério da Educação, mantém dívidas a fornecedores, prestadores de serviços e funcionários.

Presidente fala em “bullying diário”

O presidente do CBEI, Gil Teixeira, entende que os órgãos directivos estão a ser vítimas de uma campanha de “bullying diário” e de um ataque permanente por parte de alguns sócios o que em nada facilita a gestão e a vida dos trabalhadores.

Segundo o presidente da direcção, ao contrário do que refere o grupo de pais, o fundo de socorro da Segurança Social está aprovado desde Dezembro e vai servir sobretudo para pagar a fornecedores porque não é permitido que seja usado em indemnizações, compromissos bancários ou impostos. Gil Teixeira já admitiu a possibilidade de despedir mais trabalhadores “para diminuir os custos e não continuar a onerar as despesas”.

Inspecção não detectou ilegalidades

Em 2020, a Segurança Social e o Ministério da Educação realizaram uma inspecção à instituição tendo-se apurado que nenhuma das denúncias feitas a coberto do anonimato por alguns sócios da instituição se comprovaram. Tal como O MIRANTE noticiou, o relatório final da inspecção frisa a legalidade de todos os procedimentos e operações financeiras feitos pela direcção e onde é deixado um elogio aos órgãos de gestão da associação.

Devido à situação financeira do CBEI - o maior empregador da cidade - e queixas frequentes de pais e trabalhadores, o presidente do município de Vila Franca de Xira, Alberto Mesquita, tem-se mostrado preocupado e chegou a propor que um técnico da Segurança Social possa ser colocado na instituição para auxiliar os órgãos sociais na gestão da associação.

Sócios do CBEI não desistem da luta para destituir direcção

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido