uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Dirigente socialista da Chamusca muda-se para o CDS-PP

Dirigente socialista da Chamusca muda-se para o CDS-PP

Fernando Pratas desfilia-se do PS e pode levar Garrido para candidato à câmara

Edição de 09.11.2016 | Política

O ex-deputado e destacado dirigente socialista, Fernando Pratas, mudou-se para o CDS-PP da Chamusca, concelho em que nasceu e reside. O advogado, que foi presidente adjunto da Federação Distrital de Santarém do PS, tendo mesmo dirigido este órgão em regime de substituição, pediu há um mês a desfiliação do Partido Socialista e está agora a colaborar com os centristas, que já começaram a assediar o empresário Joaquim Garrido para ser candidato nas próximas autárquicas. Garrido, ex-presidente da Assembleia Municipal da Chamusca eleito pela CDU, que em 2009 foi candidato à câmara pelo PS, pode agora vir a encabeçar a lista do CDS-PP à presidência do município.
Fernando Pratas confirma que Garrido, empresário do sector das artes gráficas, é “uma possibilidade muito grande” como candidato do CDS-PP mas que ainda “não está tudo definido”. Pratas, que foi vereador socialista na oposição na Câmara da Chamusca, sublinha que a porta está escancarada para Garrido se este quiser avançar pelo partido liderado pela ex-ministra da Agricultura, Assunção Cristas. Quanto à sua participação, Fernando Pratas diz que não crê vir a ser candidato e que está empenhado em “criar uma solução à direita na Chamusca”.
Em declarações a O MIRANTE, Pratas justifica a sua ligação aos centristas com o facto de o PS o andar a “tratar mal há 10 anos”. Sublinha que o PS há algum tempo que o andava a afastar por discordar de algumas estratégias. Pratas refere que chegou a apresentar a demissão do partido a António José Seguro, quando este era o secretário-geral, mas que ele o fez recuar na altura.
“Com o rumo que o Partido Socialista tomou não vejo razão para continuar”, salienta, acrescentando que já não se revê “em nada que o PS está a fazer nem a forma como chegou ao Governo”. Pratas admite que quer continuar na vida política, que nunca foi esquerdista mas sim um social-democrata e que não acredita que as soluções sejam as que vêm sendo apresentadas pelas esquerdas.

Dirigente socialista da Chamusca muda-se para o CDS-PP

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...