uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Falcoaria a caminho da classificação como Património Imaterial da Humanidade

Falcoaria a caminho da classificação como Património Imaterial da Humanidade

Candidatura foi apresentada à UNESCO pela Câmara de Salvaterra de Magos

Edição de 09.11.2016 | Sociedade

A arte da Falcoaria em Portugal pode ser declarada Património Cultural Imaterial da Humanidade, pela UNESCO, já no final do mês de Novembro, durante a 11ª reunião do Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial que vai realizar-se na Etiópia.
A candidatura foi apresentada pela Câmara Municipal de Salvaterra de Magos em 2015, em parceria com a Universidade de Évora, a Associação Portuguesa de Falcoaria e a Entidade Regional de Turismo do Alentejo e Ribatejo (ERTAR). A decisão será conhecida entre os dias 28 de Novembro e 2 de Dezembro durante a sessão da Comissão de Especialistas da UNESCO.
O Comité Intergovernamental para a Salvaguarda do Património Cultural Imaterial já tinha incluído a Falcoaria na sua Lista Representativa em Novembro de 2010. Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos, assumiu a liderança e a coordenação desse projecto, apresentado, pela primeira vez na história da UNESCO, por 11 países - Bélgica, República Checa, França, Coreia, Mongólia, Marrocos, Qatar, Arábia Saudita, Espanha, Síria e Emirados Árabes Unidos.
Todos esses países incluíram, individualmente, a Falcoaria no Inventário Nacional do Património Cultural e Imaterial com uma candidatura considerada como “um excelente exemplo de cooperação entre as nações”. Já em 2012, a UNESCO estendeu o reconhecimento de património cultural à falcoaria praticada na Áustria e Hungria, refere a ERTAR em nota de imprensa. Agora, será a vez de Portugal, com a candidatura “Falcoaria. Património Humano Vivo”, procurar juntar-se a esta lista de países.
Em Salvaterra de Magos, a Falcoaria contribuiu para a fixação da família real no concelho, durante longos períodos. A Falcoaria Real terá sido construída por ordem de D. José I na periferia da vila e foi local de encontro de falcoeiros oriundos de vários pontos da Europa. Em 2009, a Falcoaria Real foi recuperada tornando-se um espaço de cultura e de lazer, recebendo exposições, encontros e workshops relacionados com a temática. O edifício é um dos principais cartões-de-visita do concelho, o que levou o executivo municipal a registar a marca Salvaterra de Magos - Capital Nacional da Falcoaria em 2014.

Salvaterra acolhe primeira competição de voo com falcões

A Falcoaria Real de Salvaterra de Magos recebe no dia 19 de Novembro a sua primeira edição de Sky Trial, uma competição de voo realizada por aves de rapina de diferentes espécies como falcões, águias e açores, que pretende atrair falcoeiros de vários pontos do país e do estrangeiro. A iniciativa é aberta ao público em geral.
As aves irão participar em provas de alto e baixo-voo, sendo analisados pelos juízes critérios como a trajectória de subida, altura, picado e ataque, atitude de caça, voo sobre a presa ou captura. A prova irá contar com a presença de falcoeiros vindos de norte a sul do país e também oriundos de Espanha e do México.
A organização é da Câmara de Salvaterra de Magos com o apoio do Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas, da Associação Portuguesa de Falcoaria, da Casa Agrícola Monte Real, Associação de Caçadores e Pescadores de Salvaterra de Magos e F & C, Lda.

Falcoaria a caminho da classificação como Património Imaterial da Humanidade

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...