uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Desmor investe em campos de ténis e de padel

Orçamento da empresa municipal que gere o complexo desportivo de Rio Maior prevê 70 mil euros para esse fim em 2017.

Edição de 30.11.2016 | Desporto

A empresa municipal Desmor, que gere o centro de estágios e o complexo desportivo de Rio Maior, contemplou no seu plano de actividades e orçamento para 2017 a construção de dois campos de ténis e de um para a prática de padel, num investimento global previsto de 70 mil euros. Essa obra visa dotar o complexo de novas valências e proporcionar condições para a prática de mais modalidades desportivas.
Entre outros investimentos em perspectiva, destaque também para a construção de uma piscina exterior para bebés no complexo de piscinas, com 15 mil euros atribuídos, e a substituição do piso de jogo do pavilhão desportivo, orçada em 10 mil euros. O orçamento, no total, tem previstos 192.500 euros para investimento.
Entretanto o executivo da Câmara de Rio Maior aprovou o contrato-programa a estabelecer com a Desmor para 2017, que prevê a transferência de 644 mil euros a título de subsídio à exploração, como contrapartida pela prática de preços sociais. A empresa tem vindo a reduzir a sua dependência financeira do município, facto realçado pela vereação, que deixou elogios à administração da Desmor na reunião em que foi aprovado o orçamento dessa entidade.
No entanto, houve também quem recordasse que a actividade da Desmor está demasiado centralizada na cidade. “Não há um único equipamento que a Desmor tenha nas freguesias. Não há um campo de futebol a funcionar no concelho sem ser na cidade. Acho que esta situação deve merecer reflexão”, considera o vereador Augusto Figueiredo (CDU).
O vice-presidente da câmara, Carlos Frazão, respondeu que as freguesias não têm sido esquecidas nas actividades da Desmor, mas reconheceu que os campos de futebol “estão como estão” e os pavilhões desportivos, propriedade das juntas de freguesia, “estão às moscas”. Acrescentou que cabe também a essas comunidades dinamizarem actividades e darem usos a esses espaços desportivos, o que não acontece na maior parte do concelho, “com excepção de Arrouquelas e um ou outro exemplo”.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...