uma parceria com o Jornal Expresso
24/04/2017
Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Vítor Frazão recandidata-se à Câmara de Ourém pelo MOVE
Movimento independente volta a entrar na disputa eleitoral das autárquicas
Edição de 29.03.2017 | Política

O MOVE - Movimento Independente apresentou na sexta-feira, 24 de Março, Vítor Frazão como o candidato à presidência da Câmara Municipal de Ourém nas próximas eleições autárquicas, pela segunda vez consecutiva.
Vítor Frazão, 65 anos, possui o Curso de Complemento de Formação de Professores de Trabalhos Manuais e Oficinais, nas áreas de têxteis e cerâmica, uma licenciatura em História, uma pós-graduação em Gestão e Modernização Autárquica e um mestrado em Cultura e Formação Autárquica. Foi presidente da Junta de Freguesia de Fátima, vereador, vice-presidente e presidente da Câmara Municipal de Ourém eleito pelo PSD.
Na apresentação, o candidato recordou que o movimento independente foi fundado em 2013, aquando das eleições autárquicas e “conseguiu ficar colocado em terceiro lugar no espectro político concelhio com eleitos na vereação, na assembleia municipal e assembleias de freguesia”.
“Este feito torna-se mais relevante se recordarmos que o MOVE não dispunha, nem dispõe de condições técnico-financeiras comparadas com as restantes forças políticas e, como se não bastasse, foi forçado a recolher milhares de assinaturas, processo que vai ter de se repetir nas eleições de Outubro próximo”, acrescentou Vítor Frazão.
Natural de Fátima, o candidato adiantou que “a realidade política que o município atravessa, neste momento, obriga que o MOVE, por razões de soberania, concorra às próximas eleições” e disse ter aceitado o desafio de “muitos sectores da sociedade civil” para se recandidatar e “defender os oureenses”. Vítor Frazão promete “um programa eleitoral alicerçado na seriedade” e numa “campanha positiva sem ataques”.
Recordando que o PS, que lidera a Câmara de Ourém, “embora vencedor, não teve votos suficientes para gerir o município sozinho”, o candidato salientou que “foi forçado a recorrer ao MOVE para permitir a governabilidade do concelho”.
“Se os oureenses hoje pagam menos Imposto Municipal sobre Imóveis deve-se a uma proposta que o MOVE apresentou e foi votada favoravelmente”, revelou, afirmando que “se o MOVE não se deixa beliscar pelas críticas fáceis e infundadas, também eu não me atormento com a mordaça daqueles que pretendem confundir os cidadãos dizendo que eu abandonei o MOVE e a câmara”, acrescentou, em alusão à sua saída de vereador.

Comentários
Mais Notícias
    A carregar...