uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Terreno da ETAR dos Carochos já é da Câmara de Abrantes

Município adquiriu propriedade por 25 mil euros em venda judicial

Edição de 17.01.2018 | Sociedade

A Câmara Municipal de Abrantes comprou, por 25 mil euros, em processo de venda judicial, o prédio rústico situado na zona dos Carochos, com uma área de 42.160 m2, onde está situada a Estação de Tratamento de Águas Residuais (ETAR) da cidade. A informação foi avançada na última reunião do executivo. A presidente explicou que foi dada indicação aos serviços para apresentarem uma proposta, visto que aquele terreno é para reflorestar e tem o equipamento municipal da ETAR dos Carochos.
A autarca adiantou ainda que antes da venda judicial a câmara reuniu com a Abrantáqua (gestora da ETAR) e a empresa manifestou intenção de adquirir o terreno para mais tarde o vender à câmara. “Entendi não ser o procedimento mais correcto e mais transparente, sendo o contrário mais adequado”, afirmou Maria do Céu Albuquerque.
A base de licitação do terreno era de 20 mil euros tendo a câmara apresentado uma proposta de 25 mil euros mais um cêntimo. Houve duas propostas, uma com o preço base e a da autarquia, que venceu.
Tal como O MIRANTE noticiou na edição de 13 de Março de 2016, a inauguração da ETAR dos Carochos foi atribulada pois o proprietário do terreno onde foi construído o equipamento barrou o acesso ao mesmo com uma carrinha. Jorge Dias disse que a intenção foi protestar pelo facto de a Abrantáqua ainda não o ter convocado para assinar a escritura necessária para transferir a posse do terreno. A PSP foi mesmo chamada ao local.
Jorge Dias alegava que a Abrantáqua não cumpriu algumas cláusulas do acordo estabelecido consigo e que não deu autorização para se construir no terreno sem que a escritura estivesse celebrada. O que devia ter acontecido até 30 de Junho de 2014. “Só autorizei a desmatação e o levantamento topográfico para prepararem o terreno para a construção”, assegurava Jorge Dias, acrescentando que acabou por não perturbar a construção da ETAR porque não gostava de ver os esgotos da cidade a correrem para o Tejo.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...