uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Falta pessoal auxiliar e administrativo nos centros de saúde da Lezíria do Tejo
Pedro Ribeiro (ao centro) reportou os problemas à tutela

Falta pessoal auxiliar e administrativo nos centros de saúde da Lezíria do Tejo

Presidente da Comunidade Intermunicipal deixou o alerta em Almeirim, durante uma cerimónia em que participou o secretário de Estado adjunto e da Saúde. Municípios da Lezíria contam com nova unidade móvel de radiorrastreio de doenças respiratórias.

Edição de 12.04.2018 | Sociedade

Para além da falta de médicos de família nalguns locais, os centros e extensões de saúde da região sofrem também de falta de pessoal auxiliar e administrativo. O alerta foi deixado pelo presidente da Comunidade Intermunicipal da Lezíria do Tejo (CIMLT), Pedro Ribeiro, ao secretário de Estado adjunto e da Saúde, Fernando Araújo, durante a entrega da Unidade Móvel de Radiorrastreio (UMR) “mais sofisticada do país” ao Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) da Lezíria. Um cerimónia que decorreu a 3 de Abril, no Centro de Saúde de Almeirim.
Segundo Pedro Ribeiro, que é também presidente da Câmara de Almeirim, a causa está na perda de pessoal auxiliar e administrativo que se tem verificado nos últimos anos, com a agravante de que muitos dos que estão a trabalhar se aproximam da idade da reforma. Referiu ainda que a falta de médicos de família sentida na região no final de 2014 e início de 2015 foi em grande parte resolvida e que a falta de enfermeiros “está a melhorar”. No final, Pedro Ribeiro afirmou que as autarquias podem vir a aceitar assumir a colocação do pessoal auxiliar e administrativo nos serviços de saúde, desde que, ao contrário do que aconteceu nas escolas, sejam salvaguardados rácios que correspondam efectivamente às necessidades.
Por seu lado o secretário de Estado adjunto e da Saúde sublinhou que a incidência de tuberculose na região é das mais baixas do país e garantiu que o Governo pretende erradicá-la até 2030. É por isso, adianta, que está-se a apostar nestas unidades móveis de forma a chegar-se à população que normalmente não recorre ao Serviço Nacional de Saúde, como a de estabelecimentos prisionais, sem-abrigo, população migrante e toxicodependentes. O objectivo é detectar-se precocemente para evitar transmissão a outros e para se poder iniciar mais rapidamente o tratamento e monitorização.
Fernando Araújo aproveitou ainda para sublinhar que o investimento em cuidados primários está a decorrer “em várias dimensões”, sobretudo a nível das instalações e de recursos humanos, trazendo “novas profissões” para os centros de saúde, como médicos dentistas, psicólogos, nutricionistas, a realização de exames complementares de diagnóstico e equipas de cuidados paliativos.
A coordenadora do Programa de Tuberculose da Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo, Conceição Gomes, afirmou que esta nova unidade, que vem substituir a que estava ao serviço na região há 37 anos, permitirá um diagnóstico “mais correcto de algumas doenças respiratórias”, frisando que, se a incidência de tuberculose tem vindo a reduzir, há outras doenças respiratórias em crescimento, com destaque para o cancro do pulmão.

Diagnóstico de doenças respiratórias mais rápido

A UMR, adquirida com fundos europeus no valor de 685 mil euros e que irá servir os concelhos abrangentes pelo ACES Lezíria e o concelho de Azambuja, possui a melhor tecnologia de ponta da Europa, trazendo “rapidez” no tipo de exame realizado e “segurança”, porque o nível de radiação é muito baixo, realçou Fernando Araújo.
Em termos práticos, é gerado um raio-x imediatamente após a realização do exame e enviado em suporte digital para o radiologista e médicos do Centro de Diagnóstico Pneumológico. Posteriormente é remetido para o clínico que acompanha o utente, quer seja médico de família ou de outra especialidade.

Almeirim pode ter segunda viatura para apoio domiciliário

O presidente da Câmara de Almeirim, Pedro Ribeiro, admitiu que, caso seja necessário, a autarquia está disposta a adquirir uma nova viatura para apoio domiciliário, juntando-se à entregue no dia 3 de Abril, à Unidade de Saúde Familiar (USF) de Almeirim.
A cerimónia de entrega de seis viaturas ao ACES Lezíria decorreu em Almeirim, após ser inaugurada a Unidade Móvel de Radiorrastreio que irá rastrear doenças respiratórias nos concelhos abrangentes pelo Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) da Lezíria e no concelho de Azambuja. Para além da USF de Almeirim, receberam ainda veículos para apoio domiciliário as Unidades de Cuidados de Saúde Personalizados, de Cuidados Continuados, de Cuidados Paliativos e USF de Alpiarça, Santarém, Coruche e Salvaterra de Magos.

Falta pessoal auxiliar e administrativo nos centros de saúde da Lezíria do Tejo

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...