Sociedade | 04-01-2018 09:05

Comerciantes lamentam desertificação dos centros históricos e falta de clientes

1 / 10
Desertificação dos centros históricos e falta de empregos arruina comércio tradicional

António Barbosa

2 / 10
Desertificação dos centros históricos e falta de empregos arruina comércio tradicional

Carlos Palmeiro

3 / 10
Desertificação dos centros históricos e falta de empregos arruina comércio tradicional

Fernando Felício

4 / 10
Desertificação dos centros históricos e falta de empregos arruina comércio tradicional

Leonilde Nascimento

5 / 10
Desertificação dos centros históricos e falta de empregos arruina comércio tradicional

Paulo Lamberia

6 / 10
Desertificação dos centros históricos e falta de empregos arruina comércio tradicional

Sandra Teresa

7 / 10
Desertificação dos centros históricos e falta de empregos arruina comércio tradicional

Sónia Ferreira

8 / 10
Desertificação dos centros históricos e falta de empregos arruina comércio tradicional

Ana Paula Penteado

9 / 10
Desertificação dos centros históricos e falta de empregos arruina comércio tradicional

Joana Borda D`Água

10 / 10
Desertificação dos centros históricos e falta de empregos arruina comércio tradicional

Cidália Passos

O MIRANTE ouviu lamentos e queixas em Abrantes, Cartaxo e Vila Franca de Xira

A Modas Felício é uma das lojas mais antigas da Rua Batalhoz, na cidade do Cartaxo, estando aberta há 57 anos. O dono, Fernando Felício, confessa que tem muitos dias em que não abre a caixa por não ter clientes. “É uma tristeza muito grande. Antigamente não tinha vagar para conversar consigo e agora tenho tempo de sobra. A Rua Batalhoz perdeu todo o fervor que tinha há 20 e 30 anos”, lamenta o comerciante.
Para ele, o fecho de muitas empresas é um dos causadores do problema. “Perdemos muitas empresas no concelho e isso faz com que as pessoas não se fixem no Cartaxo porque não há emprego. Os jovens saem para estudar e não voltam e muita gente procura outras terras para viver”, afirma.


Na mesma rua, considerada a principal em termos de comércio, há várias lojas fechadas. As que ainda estão a funcionar têm poucos clientes, apesar de ser época de compras. O cenário é idêntico, noutras cidades da região, nomeadamente em Vila Franca de Xira. Cada comerciante abordado por O MIRANTE tem uma ou várias explicações. Há quem refira a concorrência das grandes superfícies; há quem fale da proximidade da cidade de Lisboa que tem muito maior oferta; há até quem aponte o dedo às chamadas lojas do chinês e até há quem, contrariando o discurso do Governo, fale em falta de poder de compra.


Leonilde Nascimento, 59 anos, trabalha naquela cidade, na Sapataria Salema, na Rua Serpa Pinto, há 44 anos e nos últimos tem visto a clientela diminuir. “Não se vê gente em Vila Franca de Xira. O centro está muito triste e as lojas não têm movimento”, lamenta, acrescentando que nem no Natal vende mais.


Sandra Teresa, 48 anos, filha da proprietária da Retrosaria Tereza, tem a mesma opinião e culpa os centros comerciais, as lojas de chineses e a perda de poder de compra dos potenciais clientes.

Reportagem completa na edição semanal de O MIRANTE AQUI

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1333
    11-01-2018
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1333
    11-01-2018
    Capa Médio Tejo