uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Reduzir o risco na Rua da Estação

Novas bacias de retenção
Edição de 11.02.2004 | Sociedade
O risco de inundação na Rua da Estação em Alverca será minimizado com as intervenções programadas pelo Instituto da Água (Inag) e pela autarquia. Entretanto será elaborado um estudo hidrográfico para analisar o comportamento das águas e do leito do Rio Crós-Crós .A presidente da Câmara Municipal de Vila Franca de Xira explicou que será feita uma bacia de retenção, cujas obras devem arrancar esta semana, foram demolidas as barracas nas traseiras dos edifícios perto da estação da CP onde foi aberta uma vala de retenção, foram construídos vários muros de suporte na Rua da Comeira e foi limpo o troço do rio que estava entupido junto à EN 10, perto da Casa de São Pedro. Aproveitando a intervenção foram desviados os circuitos da EDP e da PT que passavam no canal do rio.Segundo Maria da Luz Rosinha (PS), serão ainda construídas bacias de retenção a montante do curso do Rio Crós-Crós que irão aliviar os riscos de inundação na rua da EstaçãoA presidente reagiu desta forma às duras críticas de moradores e comerciantes da rua da Estação ampliadas com a recente visita do vereador do PSD ao local. A edil reconheceu que a bacia da retenção, com uma capacidade para 50 mil m3, que vai ser construída junto da rotunda do Jumbo, não irá resolver o problema, mas vai melhorar a situação, evitando que as águas do rio venham para a Rua da Estação.Na última reunião da câmara, o vereador Rui Rei (PSD) apresentou uma proposta no sentido da câmara criar um gabinete técnico para estudar uma solução de fundo e contratar um técnico de créditos reconhecidos para coordenar o trabalho da comissão.A proposta foi aprovada depois de alguns reajustamentos propostos pelo vereador Ramiro Matos (PS).O presidente dos Serviços Municipalizados de Águas e Saneamento (Smas) e vice-presidente da câmara, Simões Luís referiu que é necessário elaborar um estudo profundo que avalie também a ocupação do território nas zonas inundáveis.

Mais Notícias

    A carregar...