uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Escola da Castanheira do Ribatejo em risco de derrocada

Escola da Castanheira do Ribatejo em risco de derrocada

Pais alertam para existência de rachas nas paredes e salas inclinadas

Os pais dos alunos da Escola do 1º Ciclo do Ensino Básico e Jardim de Infância da Castanheira do Ribatejo, Vila Franca de Xira, estão preocupados com as condições do terreno nas traseiras da escola, que dizem apresentar risco de desabar com as chuvadas de Inverno. Dizem que a obra foi feita à pressa. Quatro anos depois da inauguração há rachas no chão e paredes e salas inclinadas.

Edição de 02.12.2009 | Sociedade
A Escola do 1º Ciclo do Ensino Básico e Jardim de Infância da Castanheira do Ribatejo, concelho de Vila Franca de Xira, foi inaugurada há quatro anos, mas vários encarregados de educação temem pela segurança dos filhos. A escola apresenta rachas nas paredes e há inclinações. Há cerca de um ano foi feita uma inspecção à escola e foi dado o aval para que as aulas continuassem e a garantia de que estava assegurada a segurança das crianças, professores e funcionários neste espaço. Apesar disso há vários pais e habitantes da zona que não estão convencidos e que alertam para o perigo de derrocada do terreno que envolve as traseiras da escola.A escola está muito próxima de pequeno riacho que ali se formou e o limite de terreno está a diminuir.Jaime Pereira é uma das pessoas que tem denunciado esta situação, documentando com fotografias o crescente aluimento de terras e derrocada de algumas pedras que estão no limite das traseiras deste estabelecimento de ensino. “É impressionante o que já abateu no espaço de um mês. Há vários buracos e fendas no chão e as pedras junto às traseiras da escola têm caído para o pequeno riacho que fica mesmo por baixo”, alerta. “Conforme fizeram as obras neste espaço e cortaram a mata e tudo o que havia aqui, deixou de haver uma barreira natural para as águas das chuvas que vêm da serra. As águas deixaram de correr para o rio das Portas e vêm agora desaguar aqui. Como não há essa barreira, basta chover com mais intensidade e estes terrenos abatem todos”, diz apontando vários locais perto da escola onde se observam as fendas e sinais de derrocada.Augusto Sousa tem um filha que frequenta o quarto ano e confessa-se bastante assustado. “Já o ano passado houve problemas e como pai na altura fiquei com medo. Disseram-nos depois que estava tudo bem e nós acreditámos. Mas agora que vi as fotos mais recentes, confesso que fico com receio do que possa acontecer quando começarem as chuvas mais fortes”, diz-nos com alguma apreensão. Sónia Duarte também está revoltada com a situação pois preocupa-a a segurança da filha Daniela de nove anos. “Foram umas obras apressadas para fazer a inauguração e se bater palmas à Ministra”, acusa. “A escola está a cair e as próprias empregadas já me disseram que as salas do piso inferior estão inclinadas. É um perigo. Quem venha aqui vê logo que isto é um perigo para as crianças. Só espero que quando isto cair, que caia de noite, para não haver nenhuma tragédia”, diz com alguma ironia.Os responsáveis da escola escusaram-se a prestar qualquer declaração. O MIRANTE tentou contactar a protecção Civil e a Câmara Municipal de Vila Franca de Xira, mas não conseguiu obter nenhuma resposta em tempo útil de fecho de edição.
Escola da Castanheira do Ribatejo em risco de derrocada

Mais Notícias

    A carregar...