uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Os homens de Vila Franca de Xira que agarram os toiros pelo rabo

Os homens de Vila Franca de Xira que agarram os toiros pelo rabo

Para os rabejadores a sua função é das mais importantes da arte de pegar

O forcado que agarra o toiro pelo rabo na parte final de uma pega é uma peça central dentro da praça. Duas gerações de rabejadores dos forcados de Vila Franca de Xira falam da importância do último homem a abandonar a arena.

Edição de 06.10.2010 | Feira de Outubro
Ser rabejador e dominar o toiro pelo rabo é uma honra, um orgulho e uma das maiores responsabilidades dentro da arena. Quem o faz não se sente diminuído face ao resto do grupo de forcados e garante que sem os rabejadores as pegas dos forcados seriam bem mais arriscadas.“As pessoas na maioria das vezes estão apenas atentas ao forcado que dá a cara e aos ajudas, mas o rabejador tem uma importância decisiva durante a pega porque segura o toiro e aponta-o na direcção em que o grupo está fechado. Somos quase como um timoneiro a conduzir um barco, guiando o animal para a zona que queremos, evitando que bata com o cabo contra as tábuas da arena e desiquilibre o grupo ou coloque o cabo em risco”, conta José Fernando, um dos antigos rabejadores do grupo vilafranquense. “É uma posição como qualquer outra. Eu nunca tive vergonha ou nojo de agarrar o toiro pelo rabo. Às vezes até metíamos as mãos de propósito na “mostarda” para passar nos outros e verem como era”, diz com uma gargalhada o homem que, confessa, tem na tauromaquia uma das suas maiores paixões. É o cabo do grupo de forcados que decide quem ocupa a posição de rabejador. “Quando se veste a jaqueta todos são comandados pelo cabo do grupo. Mas existem pessoas mais capazes de o fazer”, explica Vasco Dotti, actual cabo dos forcados de Vila Franca de Xira. Por norma é a pessoa com mais força e estatura corporal que acaba por merecer o título. Ao longo das últimas décadas surgiram em Vila Franca rabejadores que ainda hoje são lembrados pelas boas prestações na arena. Casos de Fernando Pita e Mário Marques (década de 70), Orlando Vieira e José Fernando (década de 80) e António João Veríssimo e António Correia (década de 90). Actualmente é Carlos Silva, 35 anos, que ocupa a posição de rabejador. Mais do que aprender a técnica a arte obriga a muito treino. “Vim para os forcados há 10 anos através de um amigo e disse que queria servir o grupo não me importava onde. Começámos os treinos e ajeitei-me melhor como rabejador”, conta o rabejador do grupo ao nosso jornal. A função é desempenhada sem grande complexidade. Exige muita observação do toiro durante a lide a cavalo e uma rápida intervenção no momento da pega. Um pouco de areia da arena ajuda a evitar que o rabo do animal se solte das mãos do forcado. A responsabilidade e o nervosismo surgem na arena. Com o tempo a confiança vai-se conquistando, mas o momento de agarrar o toiro pelo rabo e fazê-lo rodopiar é sempre um momento tenso. “Existe uma ideia errada junto dos espectadores sobre o rabejador. As pessoas pensam que só serve para dar voltinhas no rabo do toiro no final mas não é só. Isso é apenas decorativo, um pormenor, uma marca pessoal do forcado”, refere Carlos Silva. E de voltinhas no rabo do toiro percebe José Fernando, que não hesita em contar as velhas histórias da arena e do tempo em que toiros de 600 quilos lhe gelavam o sangue nas veias. “Muitas vezes depois das voltas tentava sair mesmo na cara do toiro, ficava parado frente a frente com ele, a olhá-lo nos olhos. Era bonito mas não era agradável para o forcado da cara porque quando a pega é bem feita os louros vão todos para ele. Uma vez um toiro Ernesto Castro deu-me umas sapatadas valentes, conseguiu ir buscar-me com facilidade e levei uma grande tareia. A minha sorte foi não ter largado o rabo dele, senão tinha ficado ali. Os toiros pequenos são os que dão as maiores tareias”, recorda.
Os homens de Vila Franca de Xira que agarram os toiros pelo rabo

Mais Notícias

    A carregar...