uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Assembleia de freguesia repudia ideia de espaço multiusos

Edição de 06.10.2010 | Sociedade
A Assembleia de Freguesia de Aveiras de Baixo, concelho da Azambuja, aprovou uma moção por unanimidade, na segunda-feira, 27 de Setembro, a condenar a intenção do presidente da câmara, Joaquim Ramos, de transformar o Convento das Virtudes num espaço multiusos. É intenção do autarca vir a abrir as portas do convento para receber festas, banquetes e outros eventos de forma a rentabilizar o investimento feito na sua recuperação. A câmara municipal gastou perto de 500 mil euros na obra. A moção foi apresentada pela bancada da coligação Pelo Futuro da Nossa Terra (PSD/CDS-PP/MPT/PPM). “Manifestamos o nosso total repúdio pela eventual utilização da Igreja do mosteiro como espaço para a realização de festas e banquetes, como foi lamentavelmente defendido pelo presidente da câmara”, lê-se no documento. Os autarcas de Aveiras de Baixo aprovaram também na mesma moção pugnar para que na referida igreja, além de manifestações religiosas, apenas possam ser realizadas iniciativas de carácter cultural, como exposições, colóquios, conferências ou concertos.Na resposta o presidente da Câmara Municipal da Azambuja, Joaquim Ramos, disse não estar preocupado com a aprovação unânime da moção. “Só mostra a liberdade que existe no partido socialista da Azambuja”, ironizou. “Ainda assim há coisas que me irritam. Ninguém ligou ao mosteiro durante três séculos até chegou a ser uma vacaria, onde os animais andavam a pastar. Agora que a câmara o adquiriu e fez uma arquitectura financeira para o recuperar é que todos se preocupam”. O presidente disse ainda que não quer que o convento das Virtudes “seja mais uma igreja do concelho” e garantiu que “não o será”. O edil afirmou ainda que o espaço não tem água nem luz, o que invalida a realização de grandes banquetes. “Quem pagou é quem manda e neste caso quem pagou foi a câmara portanto será a câmara a decidir”, concluiu.

Mais Notícias

    A carregar...