uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Quem um dia quis ser toureiro voltou à arena na Praça de Toiros de Azambuja

Quem um dia quis ser toureiro voltou à arena na Praça de Toiros de Azambuja

Antigos e actuais praticantes reuniram-se em convívio promovido pela Poisada do Campino
Edição de 30.11.2010 | Sociedade
Os antigos praticantes de toureio a pé fizeram o gosto ao dedo. Os actuais aproveitaram para ensaiar com o capote. A Praça de Toiros de Azambuja recebeu no domingo de manhã, 28 de Novembro, o 11º Encontro de Antigos Praticantes de Toureio a Pé de Azambuja, organizado pela Associação Cultural “A Poisada do Campino”. Um minuto de silêncio foi cumprido para recordar os antigos alunos da escola de toureio de Azambuja, secção da associação cultural, que já partiram. O dia serviu ainda para homenagear a título póstumo António José Correia da Silva, conhecido entre os amigos como “Ferrobico”, que trabalhou em prol da festa no concelho.Quatro jovens perseguem na Escola de Toureio de Azambuja o sonho de entusiasmar multidões como matadores, mas as oportunidades são cada vez mais escassas, lamenta José Fialho, director e professor da escola, que também um dia quis ser toureiro. “O toureio a pé está como está. Estes jovens precisam de um empurrão. Hoje não há novilhadas, nem há corridas mistas. São só cavalos”, critica.São quatro alunos apenas, mas deveriam ser vinte, exalta Pedro Paulino, bandarilheiro da cavaleira tauromáquica Ana Baptista. “Tentamos angariar miúdos para que ganhem afición e queiram vir treinar. Na segunda-feira da Feira de Maio fazemos também um espectáculo para as crianças”, ilustra.Para o bandarilheiro os jovens alunos da escola estão no bom caminho. “Se não forem matadores que sejam bandarilheiros e bons”. Etelvino Laureano, toureiro que chegou a brilhar, observou com atenção os movimentos dos jovens aprendizes da arte, apaixonados pela festa. Também ele um dia quis ser matador, mas um toiro malhado “matou-lhe” a alma numa tarde de sol em Espanha. Nasceu então um bandarilheiro.A iniciativa contou com o apoio da Câmara Municipal de Azambuja, da Junta de Freguesia de Azambuja e dos Bombeiros Voluntários de Azambuja.
Quem um dia quis ser toureiro voltou à arena na Praça de Toiros de Azambuja

Mais Notícias

    A carregar...