uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Águas do Ribatejo cortou água a 650 consumidores em Benavente por falta de pagamento

Os incumpridores são tantos que houve que recorrer a empresas privadas para desligar os contadores

Foram também detectados centenas de consumidores que fazem ligações directas ou danificam os contadores para não pagarem o que consomem. A nova situação contrasta com o “deixa andar” que existia quando cada município geria o seu sistema.

Edição de 27.04.2011 | Sociedade
A Águas do Ribatejo cortou a água a 650 consumidores em Benavente por falta de pagamento. O concelho registou o maior número de interrupções de abastecimento efectuadas pela empresa, seguido de Almeirim (380) e Salvaterra de Magos (120) mas ainda há mais cortes para fazer. Desde o início de 2011 foram feitos 1200 (mil e duzentos) cortes por atrasos no pagamento das facturas. Numa época de crise a Águas do Ribatejo avisa que está a intensificar a fiscalização e anuncia mais cortes para breve. Em dois anos de funcionamento a empresa intermunicipal Águas do Ribatejo já fez quatro mil cortes de abastecimento de água por falta de pagamento, nos seis municípios da Lezíria do Tejo onde gere os sistemas de águas e esgotos. Um procedimento a que os consumidores não estavam habituados quando o serviço de abastecimento estava nas mãos das câmaras municipais. O número de relaxes é tão elevado que a empresa se viu obrigada a recorrer a prestadores de serviço externos para desligar os contadores. Desde que a empresa substituiu os serviços municipais, em Maio de 2009, foram também detectadas centenas de fraudes por parte dos clientes.A empresa intermunicipal que, desde Maio de 2009, gere os sistemas em Almeirim, Alpiarça, Coruche, Chamusca, Salvaterra de Magos e Benavente, justifica aquela medida radical por ter constatado que, na maioria das situações de relaxe, os clientes apesar de avisados por carta registada dos pagamentos em falta não manifestaram qualquer vontade de regularizar a sua situação. O gabinete de comunicação da Águas do Ribatejo diz ainda que as fraudes através de ligações directas ou danificação de contadores, são às centenas. O sector das águas dos municípios era muitas vezes gerido com preocupações sociais ou políticas o que se reflectia na política de não cortar o abastecimento à maioria dos não pagantes ou de manter os preços baixos ao longo de anos e anos. A empresa Águas do Ribatejo, que vai passar a gerir também as redes de águas e saneamento no concelho de Torres Novas, tem neste momento 56 mil clientes. Nos casos de agregados familiares com rendimentos “per capita” inferiores ao salário mínimo nacional, existe um tarifário social com isenção de taxas e redução de 50 por cento nos consumos até 15 metros cúbicos mensais. As famílias numerosas (mais de quatro pessoas) também beneficiam de descontos. Restabelecimento do serviço custa 40 eurosA Águas do Ribatejo fala em justiça para justificar os cortes de abastecimento. “Não é justo haver alguém a consumir água sem limite porque não paga enquanto os seus vizinhos cumprem. Temos vindo a sensibilizar os clientes para a necessidade de todos pagarem a água que gastam mas não podemos deixar de actuar,até porque também há quem faça grandes consumos, não por necessidade mas por mero desperdício”.“Antes de proceder a qualquer corte por não pagamento a empresa Águas do Ribatejo contacta o cliente em falta, através de carta registada, dando-lhe um prazo de dez dias úteis para regularizar a situação. Quando o cliente mostra vontade de regularizar mas não dispõe da quantia necessária, é-lhe permitido o pagamento em prestações mensais e sem juros, desde que seja justificada a carência económica do mesmo com declaração de rendimentos ou documento da segurança social”, explica a Águas do Ribatejo.Depois de efectuado o corte o fornecimento só é restabelecido depois do pagamento da dívida e de uma taxa no valor de 40 euros mais IVA. Se o cliente pagar o valor em dívida no momento imediato à deslocação dos técnicos ao local e até às 12h30, a suspensão do serviço não chega a ser feita e apenas tem que pagar o custo da deslocação dos técnicos que é de 12 euros mais IVA.

Mais Notícias

    A carregar...