uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Populares cortam estrada em protesto contra fecho dos CTT em Freixianda

Edição de 08.05.2013 | Sociedade
Centenas de populares cortaram na segunda-feira, 6 de Maio, a EN 365 em Freixianda, concelho de Ourém, numa acção de protesto contra o encerramento da estação de correios daquela freguesia, disse à Lusa uma dirigente do Sindicato Nacional de Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações. “Esta manifestação, que começou pela manhã, é em defesa do serviço público e dos postos de trabalho”, explicou Dina Serrenho, sustentando que “quando as populações se mobilizam e manifestam conseguem que a administração dos CTT recue”.O sindicato apresentou esta segunda-feira uma queixa à Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM) pelo facto da estação dos correios de Freixianda, “que serve seis freguesias de dois concelhos, Ourém e Alvaiázere, não ter aberto ao público”.Fonte dos CTT disse à Lusa que o encerramento deveu-se “ao facto de não estarem reunidas condições capazes de garantir a segurança e a prestação de serviços”. Os CTT “confirmam a transferência do serviço postal em Freixianda da estação de correio para um novo posto a criar na mesma freguesia”, mas “não há ainda data para essa transferência”.No documento sublinha-se que “o serviço continuará a ser prestado dentro da freguesia” e que, por isso, “os CTT estimam que o impacto da transferência para a população será nulo”.Por outro lado, “todos os serviços postais continuarão disponíveis no novo posto de correio, incluindo os pagamentos de vales de prestações sociais (reformas e todas as outras), a cobrança de facturas, o envio de correio normal e prioritário e a recepção de objectos registados e encomendas, entre outros”, garante a administração.Os CTT asseguram ainda que “esta transferência em nada afecta a normal distribuição feita pelos carteiros, que continua a ser garantida todos os dias, nos mesmos moldes, com os mesmos giros e pelos mesmos profissionais”, não implicando qualquer perda de postos de trabalho. A transferência de serviços é justificada pelo “sobre dimensionamento da oferta dos correios nesta área”.

Mais Notícias

    A carregar...