uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Antigo campeão de ralis dedica-se ao turismo e à agricultura no Ribatejo

Antigo campeão de ralis dedica-se ao turismo e à agricultura no Ribatejo

Retirado das competições, Francisco Romãozinho ainda acelera na sua pista de autocross do Monte da Várzea, em Alvega, concelho de Abrantes.

Edição de 09.02.2017 | Sociedade

Francisco Romãozinho era um adolescente inconformado. Castelo Branco mostrava-se demasiado pequena para a agitação que a alma lhe pedia, porventura a adrenalina da velocidade corria nas veias mesmo sem saber. E aos 16 anos o único filho de um médico albicastrense aventurou-se até Lisboa, onde posteriormente ingressou na faculdade de arquitectura que frequentou seis anos para chegar ao quarto. Culpa das “várias vidas paralelas”, conta a O MIRANTE.
Quando entrou para a faculdade a avó materna ofereceu-lhe um carro. “Escolhi um Mini Cooper”, refere. Estava-se em 1962, e no São Martinho “havia o Rali às Termas de Monfortinho”, a sua primeira corrida. Depois dessa experiência foram quatro décadas dedicadas à competição, de 1962 até 2004, ainda que não permanente. A trajectória de Francisco Romãozinho na história do desporto automóvel português (e internacional) foi escrita com vitórias marcantes, derrotas dolorosas, um acidente que poderia ter acabado mal e o orgulho de ser campeão quando em 1969 ganhou a Volta a Portugal, o Campeonato Nacional de Velocidade num BMW e o Rali de Portugal ao volante de um Citröen DS.
“Obstáculos tive toda a vida. Se escrevesse um livro seria sobre as provas que perdi”. E foram muitas, quando estava a ganhá-las. Podia ter vencido três vezes o Rali de Portugal”, garante.
A agricultura na terra da avó
Contudo, a história do campeão português, de 73 anos, parece não ter data marcada para o capítulo final até porque gostava de ser lembrado como “alguém que só olha para a frente”. É em Alvega, no concelho de Abrantes, terra de uma avó, que escolheu viver, dedicando-se à agricultura e à unidade de turismo rural no Monte da Várzea.
Depois de 42 anos a competir recorda a sua última prova, num Nissan Navarra da equipa da SIC nas 24 Horas de Fronteira. “Desisti à 22ª hora, quando tinha passado de sétimo para terceiro porque o motor do carro caiu”. Perdeu por azar e sustos como a cambalhota nos Alpes austríacos, depois de ficar sem travões, direcção e caixa de velocidades. “O precipício do lado esquerdo e uma montanha do lado direito. Vi uma nesga, consegui virar para o lado da montanha, subi um bocado e o carro veio aos trambolhões até ao meio da estrada”, conta.
A vitória no Rali TAP num DS 21 (o mítico Citroen “boca de sapo”) considera-a “especial” por ser a primeira corrida com um carro de fábrica, mas essa crónica escrevia-se ao mesmo tempo que administrava empresas do ramo, como a Citröen, a Siva - foi Romãozinho quem trouxe para Portugal a marca Skoda - e a Fiat.
O Bar da Esquina, no Monte da Várzea, guarda essas memórias em fotografias, prémios, taças e troféus. Numa foto vê-se José Arnaud, seu copiloto, com quem se zangou, certa vez, por ter de ir buscá-lo ao quarto. “Estava com uma pequena em vez de dormir”, lembra. No Rali de Portugal que se seguiu, Arnaud “foi com um tipo maluco e morreu”. Recebeu um troféu, em Moçambique, com o seu nome, que ofereceu à família.

“Agora faço aquilo que sempre pensei”
Desde 1974 que as tais “vidas paralelas” incluíam a agricultura e o turismo, embora pensadas a sério só após a reforma. “Agora faço aquilo que sempre pensei”, afirma. Só no Monte da Várzea são 130 hectares de terras férteis até ao Tejo. Mas no total, em Alvega, possui cerca de 220 hectares, para milho, ervilha e tremocilha.
Na unidade turística tem espaço para receber 50 pessoas, 12 apartamentos com tipologias diferentes, o restaurante Entre Milhos, piscina, cavalos, trilhos de BTT e duas pistas: de autocross e motocross onde treinam algumas equipas do Dakar. “Ainda faço a minha perninha no autocross ou no todo-o-terreno. Normalmente acelero por lá e por outros sítios”, ri.
E as ideias continuam a fervilhar. Francisco tem em estudo uma proposta para construir uma pista tipo 24 Horas de Fronteira mas com seis horas. Quer, após a alteração do PDM, construir residências para reformados do Norte da Europa, disseminadas pelo meio das árvores. E fazer um parque de autocaravanas junto ao rio.
É comum no Monte da Várzea receber celebridades. “Já cá estiveram os Dama e Rui Veloso” é cliente habitual, bem como actores de telenovelas. Localizado no coração de Portugal, o monte tem ainda propensão para o romantismo: “Uma espanhola de Málaga encontra-se aqui com um português de Coimbra e da última vez trouxeram os filhos para se conhecerem”.

Antigo campeão de ralis dedica-se ao turismo e à agricultura no Ribatejo

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...