uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante
Estigma do desporto adaptado começa nas famílias
Manuela Ralha com o paratriatleta Filipe Marques na Taça do Mundo de Paratriatlo

Estigma do desporto adaptado começa nas famílias

Manuela Ralha, vereadora na Câmara de Vila Franca de Xira, diz que as famílias e os clubes ainda são uma barreira para o desporto adaptado. A única prova mundial de paratriatlo de 2020 decorreu em Alhandra, com apenas um português.

Edição de 02.11.2020 | Desporto

A vereadora da inclusão e igualdade na Câmara de Vila Franca de Xira, Manuela Ralha diz que o estigma do desporto para pessoas com deficiência começa nas famílias e que os clubes precisam de ajudar a derrubar essas barreiras, investindo no desporto adaptado. Manuela Ralha, também ela portadora de deficiência, falava a O MIRANTE à margem da Taça do Mundo de Paratriatlo que se realizou a 10 de Outubro, em Alhandra.
“Ainda não há uma visão integradora do desporto adaptado e isso é um problema de mentalidades”, afirmou Manuela Ralha, sublinhando que o “estigma começa nas famílias ao não incentivarem à sua prática” e que “os clubes ainda não investem para criar as condições necessárias”. Desde que está numa cadeira de rodas, Manuela Ralha já foi campeã nacional de natação adaptada e recordista nacional da modalidade.
Na prova, que ocorreu pela primeira vez em Alhandra e pela terceira vez em Portugal, participaram 61 paratriatletas de 19 nacionalidades. Filipe Marques foi o único português em prova, tendo conseguido um sétimo lugar na categoria PTS5. Em Portugal há, segundo a Federação de Triatlo de Portugal, um total de cinco paratriatletas.
Para Manuela Ralha, o facto da Federação de Triatlo de Portugal ter escolhido Alhandra para realizar esta competição “é a prova de que se está num concelho que tem trilhado o caminho da inclusão”, destacando que o município foi o primeiro do país a criar o Dia Paralímpico Municipal, apoia a natação adaptada do Alhandra Sporting Clube (ASC), desenvolveu um programa de natação adaptada nas escolas e financia a dança inclusiva e adaptada para os utentes das Cerci’s.
No mesmo fim-de-semana, Alhandra recebeu ainda o Campeonato do Mediterrâneo de Triatlo e o Campeonato Europeu de Clubes de Triatlo por Estafetas Mistas. O Alhandra SC conquistou um terceiro lugar na prova júnior com os atletas Inês Rico, François Vie, Helena Molina e Afonso Nunes.

Estigma do desporto adaptado começa nas famílias

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido