uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante

Vila Franca de Xira reabilita imóveis para arrendar a jovens

As antigas instalações municipais da galeria e dos serviços sociais vão ser transformados em habitações para serem arrendadas a custos controlados. Projecto visa dar novas dinâmicas ao núcleo central da cidade.

Edição de 12.07.2017 | Economia

A Câmara de Vila Franca de Xira vai reabilitar as antigas instalações municipais da galeria e dos serviços sociais, situadas na avenida Pedro Victor e na rua Almirante Cândido dos Reis, para servirem de habitação destinada ao arrendamento jovem.
A informação é avançada pelo município em comunicado e está integrada na já anunciada estratégia de reabilitação urbana delineada pelo município, no âmbito da regeneração urbana do núcleo antigo de Vila Franca de Xira. Atrair e fixar residentes jovens, contrariando a tendência de desertificação e envelhecimento da população no núcleo histórico de Vila Franca de Xira é um dos objectivos da medida.
Localizados no centro da malha urbana da cidade os espaços previstos “reúnem as condições que a autarquia entende como potenciais para promoção de habitação municipal jovem, com renda convencionada”, explica a câmara.
A medida é há muito esperada pelos jovens já que o preço das rendas para habitação na cidade, periférica à capital Lisboa, é bastante elevada, havendo apartamentos com tipologia T1 (um quarto, sala, cozinha e casa de banho) a rondar os 450 euros.
Em desenvolvimento está o procedimento contratual para a adjudicação e elaboração do projecto de arquitectura e especialidades para estas reabilitações. Actualmente desocupados e em mau estado de conservação, o objectivo nestes edifícios passa, no entanto, por manter a cércea existente, preservando a memória da fachada, métrica dos vãos, janelas e outros aspectos que respeitem a traça arquitectónica.
A galeria, com 153 metros quadrados de área total (125 metros quadrados de área coberta e 28 metros quadrados de área descoberta), poderá ser reaproveitada, no seu piso térreo, para comércio, sendo os pisos 1 e 2 vocacionados para espaços habitacionais, nomeadamente para tipologia T1 e T2. Para o antigo edifício dos Serviços Sociais Municipais a câmara prevê a criação de um T0 em cada um dos três pisos (rés-do-chão, primeiro andar e sótão) do edifício.
É intenção do município recorrer a uma candidatura ao IFRRU 2020 – Instrumento Financeiro para a Reabilitação e Revitalização Urbanas, de forma a obter financiamento em condições vantajosas para estes trabalhos.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido