uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Município vai pedir 110 mil euros de indemnização ao projectista do Centro Escolar do Sacapeito
obra. Centro Escolar do Sacapeito foi inaugurado em Setembro de 2015

Município vai pedir 110 mil euros de indemnização ao projectista do Centro Escolar do Sacapeito

Alegados erros no projecto causaram atrasos na obra e aumento de custos

Edição de 12.07.2017 | Sociedade

A Câmara de Santarém vai avançar com uma acção em tribunal contra a empresa que elaborou o projecto do Centro Escolar do Sacapeito, construído junto à praça de toiros da cidade. O município reclama uma indemnização de 110.440 euros por erros e omissões no projecto de arquitectura daquele equipamento, que já se encontra a funcionar há dois anos lectivos.
A intenção da autarquia está mencionada na informação disponibilizada aos eleitos da Assembleia Municipal de Santarém na sessão de Junho e é confirmada pela vice-presidente da Câmara de Santarém, Susana Pita Soares (PSD). A autarca diz que o processo está entregue a um escritório de advogados de modo a instaurar a respectiva acção judicial conducente à cobrança do valor em dívida, acrescido de juros.
A empreitada iniciou-se em Janeiro de 2012 e, ao longo dos trabalhos, foi conhecendo sucessivas interrupções totais ou parciais. Primeiro devido à necessidade de desviar a rede de saneamento básico e depois, entre Fevereiro de 2013 e Maio de 2014, naquela que foi a paragem mais longa e total, devido a problemas na estrutura do edifício, onde apareceram fendas de grandes dimensões. Uma situação que obrigou a uma intervenção de reforço das fundações feita à margem do projecto inicial. Esses trabalhos extraordinários foram avaliados em cerca de 200 mil euros, custos que não foram assumidos pelo município.
Mais tarde, em Maio de 2016, a Câmara de Santarém aceitou pagar um valor de 158.752 euros à empresa que construiu o Centro Escolar do Sacapeito, por agravamento dos custos associados ao estaleiro e meios afectos resultantes das suspensões a que a empreitada esteve sujeita por razões consideradas alheias à construtora. A autarquia apontou responsabilidades à empresa projectista pela longa paragem a que a obra esteve sujeita e o caso passou para a alçada dos serviços jurídicos da autarquia, devendo chegar agora a tribunal.

Município vai pedir 110 mil euros de indemnização ao projectista do Centro Escolar do Sacapeito

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido