uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
30 anos do jornal o Mirante
Proximidade a Lisboa já não basta para atrair médicos de família
SAÚDE. Novos clínicos já entraram ao serviço e vão ajudar a baixar a taxa de utentes sem médico de família

Proximidade a Lisboa já não basta para atrair médicos de família

Sete das vinte vagas abertas para médico de família na área do Agrupamento dos Centros de Saúde do Estuário do Tejo ficaram por preencher. Mesmo assim, Azambuja, Vila Franca de Xira, Alenquer e Arruda dos Vinhos têm alguns novos clínicos para as suas unidades de saúde.

Edição de 23.11.2017 | Sociedade

Já entraram ao serviço dos centros de saúde dos cinco concelhos abrangidos pelo Agrupamento dos Centros de Saúde (ACES) do Estuário do Tejo – Vila Franca de Xira, Arruda dos Vinhos, Alenquer, Benavente e Azambuja - os treze novos médicos admitidos em concurso público. No entanto, ficaram por preencher sete das 20 vagas colocadas a concurso público. Dos 225.600 utentes inscritos neste agrupamento cerca de 26 por cento não tem ainda médico de família.
O concelho com maior número de médicos colocados agora foi Vila Franca de Xira, com oito clínicos: três para o Centro de Saúde da Póvoa de Santa Iria, três para a Unidade de Saúde Familiar de Arcena (Alverca) e dois para o centro de saúde da sede de concelho. A situação permite dotar 15.200 pessoas de médico de família. Mas ainda ficam 42 mil pessoas à espera de vaga, segundo contas da câmara municipal. Os médicos admitidos são sobretudo provenientes do norte e centro do país, nomeadamente da zona do Porto e de Coimbra.
O município vilafranquense admite que se tratam de boas notícias mas que a câmara “ainda não está satisfeita”. O presidente, Alberto Mesquita (PS), defende que não são apenas necessários médicos mas também pessoal auxiliar e enfermeiros. “Temos feito muitas iniciativas com o secretário de Estado da Saúde transmitindo as nossas preocupações sobre este tema. Garantiram-nos que estão a envidar todos os esforços para que esta situação seja resolvida”, explica.
O autarca nota também que há a perspectiva de alguns centros de saúde serem convertidos em unidades de saúde familiar, um modelo que tem sido capaz de aumentar o número de utentes com médico de família. “Estes novos médicos são uma solução interessante mas esperamos que a breve trecho venham mais. Estamos perto de Lisboa e não há razão para que os médicos não queiram vir”, notou.

Três novos médicos em Azambuja
No dia 13 de Novembro entraram ao serviço três novos médicos de família que vão servir os centros de saúde do concelho de Azambuja: Sara Almeida vai trabalhar no Centro de Saúde de Azambuja e Óscar Barros e Cláudia Bastos darão consultas na freguesia de Aveiras de Cima e prestarão também serviço, às segundas-feiras e quartas-feiras, durante todo o dia, na freguesia de Alcoentre.
Os três profissionais que ficam em Azambuja, segundo a vereadora com o pelouro da Saúde, Sílvia Vítor, ajudarão a baixar a percentagem de residentes daquele concelho sem médico de família dos actuais 46% para 16%.
Além de Vila Franca de Xira e Azambuja vão entrar ao serviço um médico em Arruda dos Vinhos e outro em Alenquer.

Proximidade a Lisboa já não basta para atrair médicos de família

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...

    Capas

    Assine O MIRANTE e receba o Jornal em casa
    Clique para fazer o pedido