uma parceria com o Jornal Expresso

Edição Diária >

Edição Semanal >

Assine O Mirante e receba o jornal em casa
31 anos do jornal o Mirante

Concentração em frente à Panpor adiada devido ao mau tempo

Trabalhadores estão em greve por um período de meia hora por dia desde segunda-feira

Edição de 11.01.2018 | Economia

Os trabalhadores da fábrica de produtos alimentares Panpor, em Rio Maior, desde segunda-feira em greve de meia hora por turno, adiaram a concentração à porta da empresa marcada para terça-feira à tarde devido ao mau tempo, disse fonte sindical.
Rui Matias, do Sindicato dos Trabalhadores da Agricultura e das Indústrias de Alimentação, Bebidas e Tabacos de Portugal (SINTAB), disse à Lusa que o piquete de greve esteve em frente à empresa, tendo sugerido aos trabalhadores que se reunissem no período de paragem do final do primeiro turno e de início do segundo dentro das instalações, adiando a concentração para outro dia.
Os trabalhadores iniciaram na segunda-feira uma greve, de meia hora por turno, que se prolonga até dia 20 de Janeiro, em protesto contra “o tempo que são obrigados a trabalhar sem remuneração para além das 8 horas de trabalho diário, em que se inclui a meia hora de refeição determinada pela empresa, a qual não é verdadeiramente tempo de refeição, mas sim tempo de trabalho”.
Em comunicado, o sindicato declara-se “muito satisfeito com a adesão” no primeiro dia de greve, que afirmou ter sido “acima dos 90%”, e justifica a convocação da concentração como forma de mostrar o “descontentamento com a administração da empresa que se encontra irredutível”.
Contactada pela Lusa, fonte da empresa disse que esta não irá comentar nem os números de adesão nem as declarações do sindicato.
Rui Matias adiantou que foi marcada uma reunião com a administração da empresa para “22 ou 23 de Janeiro” e que esta emitiu segunda-feira um comunicado anunciando um aumento salarial de 20 euros mensais e abertura para subir o salário mínimo para os 600 euros, posições que o sindicato considera irem ao encontro do que defende mas que teve por objectivo “demover os trabalhadores” da greve.
O sindicalista afirmou que, dada a irredutibilidade da empresa em incluir a meia hora da refeição no horário de trabalho vai entregar, no início de Fevereiro, um processo junto do tribunal de Santarém. Segundo afirmou, a paragem para a refeição não é feita a uma hora fixa, depende da autorização da chefia e foi retirada do horário de trabalho em 2011.
A paralisação na Panpor, em Rio Maior, está a decorrer nos seguintes moldes: no sistema de três turnos, no primeiro e terceiro turno aos últimos 30 minutos de trabalho e no segundo turno aos primeiros 30 minutos de trabalho; no sistema de dois turnos, no primeiro turno aos últimos 30 minutos de trabalho e no segundo turno aos primeiros 30 minutos de trabalho; no sistema de um turno, nos últimos 30 minutos de trabalho.

Comentários

Mais Notícias

    A carregar...