Agora Falo Eu | 13-03-2024 18:00

Diogo Carneiro

Diogo Carneiro
Diogo Carneiro. fotoDR

Empregado de mesa, 41 anos, restaurante O Forno - Vila Franca de Xira

Já alguma vez teve de mudar um pneu do carro?
Sim, já tive. Eu tinha o material todo mas passei algum tempo à procura do pneu.
Alguma vez deu sangue?
Já dei sangue numa altura em que uma pessoa precisava e eu era compatível. Não tenho medo de agulhas, mas só dou sangue em casos de extrema necessidade.
Qual foi a sua maior extravagância?
Já fiz muitas extravagâncias, mas a maior talvez tenha sido, quando ainda usávamos escudos, ter comprado uma camisa por 120 contos (120 mil escudos), qualquer coisa como 600 euros. Tinha 18 anos.
Qual a sua actividade preferida?
Viajar e passear pelo meu país. O meu turismo preferido é a serra.
Ainda tem tempo para tomar o pequeno-almoço em casa ou toma-o no café perto do emprego?
Diariamente não tomo. Só tomo mesmo o pequeno-almoço quando vou de férias.
Qual o seu prato favorito de carne?
De carne, uma boa costeleta mesmo muito mal passada. Já de peixe, gosto muito de pregado, grelhado é um espectáculo. Também gosto de uma boa posta de garoupa.
Qual é o seu prato preferido de bacalhau?
Bacalhau cozido, com ovo, batatas, grão... com tudo.
Ainda há dinheiro para comer fora?
Ainda se arranja.
Costuma utilizar auto-estradas mesmo tendo estradas alternativas?
Opto sempre por uma estrada nacional e não é pelo preço das portagens. É pela paisagem... as vistas. Nas auto-estradas já sabemos como é.
Costuma comprar um jornal pelo que vê na primeira página?
Deixei de comprar jornais em papel há algum tempo. Vejo tudo online.
Estamos na Era do digital. Acha que facilita a vida das pessoas o facto de estarmos “sempre ligados e contactáveis”?
Apesar da minha idade não acredito que isso seja muito benéfico, mas que ajuda, ajuda...
Se pudesse ter um super poder qual escolheria?
Era o poder de voar para visitar facilmente outros países.
Quais as qualidades que mais aprecia numa pessoa?
Sinceridade e tranquilidade.
Já foi vítima de alguma burla?
Não, nunca.
O que punha a funcionar na sua terra que não existe?
Falta muita coisa. Falta dinamismo na cidade, sem dúvida nenhuma. Antes de eu nascer já havia falta de estacionamento e agora continua a não haver. Falta investimento da câmara em eventos. Vila Franca de Xira está muito vazia. Se fosse eu a fazer... tenho algumas ideias, mas guardo-as para mim.
Se lhe saísse o Euromilhões qual era a primeira coisa que fazia?
Ia viajar com a minha esposa. Depois comprava um monte e era só gatos e cães, tudo o que andasse aí abandonado, menos os pombos.
Concorda que os políticos usem o Facebook para responderem aos críticos?
Não, mas também não acredito que sejam eles a responder.
Vale a pena ir votar?
Vale sempre a pena votar. Eu vou sempre. É um direito que nos foi atribuído a partir do 25 de Abril.
Que estação do ano prefere?
O Inverno, gosto muito do frio.
Qual é o seu truque para manter a calma perante um imprevisto?
Depende do imprevisto. Costumo contar até 10, mas faço mais isso na minha actividade profissional porque tenho que ser ponderado. Na vida pessoal, não conto.
O ensino do fandango devia ser obrigatório nas escolas ribatejanas?
Porque não? Parece que estamos na região certa e as tradições têm que se manter.
Qual o objecto que nunca fica em casa?
O telemóvel.
Gosta de comemorar o seu aniversário? Qual o melhor presente que já recebeu? E o mais divertido?
Não faço questão, mas assinalo a data. O melhor presente foi um pequeno beijo. O mais divertido e um dos mais emocionantes foi quando fui convidado para ser padrinho.
O respeitinho é muito bonito?
Sim e eu gosto. Dou muita importância.
Ir comprar roupa ou calçado dá-lhe prazer?
Prazer não dá. Só vou a esses sítios quando preciso.
Lembra-se da última vez que usou a bicicleta como meio de transporte?
Lembro-me, foi no Dia Mundial Sem Carros. Fui de Vila Franca de Xira até Alcochete.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1660
    17-04-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1660
    17-04-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo