Cultura | 08-04-2023 18:00

Azambujeira tem um projecto cultural que promete fazer a diferença em Rio Maior

Azambujeira tem um projecto cultural que promete fazer a diferença em Rio Maior
Museu Regional Manuel Nobre tem um espólio de dezenas de peças

Henrique Carvalho, 30 anos, trocou Lisboa por Rio Maior e transformou o Museu Regional Manuel Nobre, em Azambujeira, num espaço multifuncional que abre portas para se conhecer a história da vila mais antiga do concelho

Os visitantes são convidados a cozer pão em forno de lenha, provar produtos regionais e visitar uma empresa da União de Freguesias de Azambujeira e Malaqueijo.

Quem passa pela Nacional 114 a caminho de Rio Maior tem mais uma razão para desviar caminho e subir à autointitulada localidade mais antiga do concelho. O Museu Regional Manuel Nobre, na aldeia de Azambujeira, tem um espólio etnográfico local e regional de dezenas de peças que varia consoante a altura do ano. O nome do museu é uma homenagem ao falecido presidente da Câmara de Rio Maior, entre 1980 e 1983, Manuel Sequeira Nobre, que teve participação cívica activa no concelho, contribuindo para a compra e restauro do edifício que alberga o museu.
Henrique Carvalho, natural da Ribeira de São João, em Rio Maior, dedica parte do seu tempo ao museu há cerca de um ano. Técnico de animação sócio-cultural, afirma a O MIRANTE que se cansou da azáfama de Lisboa e apresentou uma proposta de desenvolvimento turístico-cultural ao executivo da Junta de Freguesia de Azambujeira e Malaqueijo, uma vez que, considera, “Rio Maior não é só as Marinhas do Sal”. “Somos a última freguesia do concelho, estamos mais perto de Santarém do que de Rio Maior e este lado precisava de uma estrutura que pudesse trazer as pessoas cá”, afirma o jovem de 30 anos.
O espólio foi reunido a partir de objectos que a população foi cedendo, o que permitiu reabrir o museu com exposições diferentes de acordo com a época do ano, para que os visitantes pudessem voltar e criar programas de actividades que incluíssem as empresas locais. O museu convida os visitantes a cozer pão em forno de lenha, degustar produtos regionais e visitar empresas locais, de forma a dar a conhecer o processo de produtos como o azeite e o arroz. Pontualmente o museu recebe eventos no espaço exterior, como foi o caso de uma Jam Session no Verão de 2022 e do Mercadinho de Natal. “Para além de contar a história, um museu tem que ter vida ou passa a ser um armazém de objectos”, defende Henrique Carvalho.
O museu já foi considerado ponto de interesse pela Câmara de Rio Maior e conta com vários agendamentos para visitas de grupo. A maior atracção é neste momento uma pedra de fecho com uma lisonja, da extinta Capela de Santa Luzia, mandada construir em 1247, que teve lugar no actual cemitério da Azambujeira.
Henrique Carvalho e Pedro Coelho, secretário da junta que acompanhou O MIRANTE no dia da visita ao museu, revela que têm trabalhado em conjunto na manutenção do museu e na dinamização da vila, que tem vindo a melhorar as suas estradas e a criar novos caminhos que levam as pessoas aos pontos de interesse da Azambujeira: o museu, a Igreja Paroquial da Azambujeira, o pelourinho, único no distrito de Santarém, os trilhos e as paisagens. Pedro Coelho explica a O MIRANTE que o próximo passo é sinalizar os locais e conta que estão a pensar construir um miradouro no Monte de Santa Luzia, com vista para Santarém, para atrair turistas para a vila.
No dia em que a Azambujeira celebra 390 anos, a 27 de Maio, o Museu Regional Manuel Nobre vai projectar, na Igreja Paroquial de Azambujeira, localizada em frente ao museu, os 390 anos de história da povoação mais antiga do concelho de Rio Maior.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1668
    12-06-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1668
    12-06-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo