Cultura | 21-08-2023 21:00

Jovens deram vida às estátuas no centro histórico de Santarém

Jovens deram vida às estátuas no centro histórico de Santarém
Pedro Pratas em estátua interagiu com muito público sobretudo crianças

Na edição deste ano participaram duas dezenas de estátuas tendo sido convidados quatro profissionais que representaram as estátuas.

Rodrigo Bartolomeu representou o carteiro, uma estátua inspirada numa obra existente no Porto
Afonso Almeida representou a estátua de Carlos Seixas, compositor do século XVIII

Os restantes 16 participantes são amadores ou semi-amadores, todos da região. Pedro Álvares Cabral, Santo António, Almeida Garrett, Rainha Santa Isabel, Minerva e Marquesa de Alorna foram algumas das personalidades representadas.

Afonso Almeida tem 19 anos e representou uma estátua pela primeira vez no Festival de Estátuas Vivas que decorreu no centro histórico de Santarém entre 11 e 13 de Agosto. Durante cerca de duas horas teve de estar imóvel a representar Carlos Seixas, compositor do século XVIII. Antes da iniciativa começar confessou a O MIRANTE que já participou em espectáculos em que teve que ficar parado durante 30 minutos. Esta foi a primeira vez que o jovem de Almeirim, que está ligado às artes desde 2020, esteve tanto tempo parado e em pé. No final diz ter adorado a experiência e é um projecto a repetir.
Para Pedro Pratas, de 18 anos, esta também foi a primeira vez que esteve tanto tempo parado mas já participou numa peça de teatro em que esteve o tempo todo sem se mexer. “Mas aí tinha que olhar para uma parede. Foi duro mas não tinha que lidar com os olhares do público. O meu receio desta vez foi ter que aguentar sem interagir com o público. E também tem que haver resistência mental para não pensar em desistir”, afirma. O jovem de Santarém encarou o festival como um desafio e representou uma cena chamada “O empoeiramento”, que retrata a sociedade quando não havia a prática de tomar banho. Dava-se o nome de empoeiramento ao cabeleireiro/barbeiro da altura que tinha a prática de colocar um pó antibacteriano nas pessoas para disfarçar maus odores.
Rodrigo Bartolomeu tem 17 anos e é natural da Chamusca. Esta é a quinta vez em que participa num festival de estátuas vivas porque participou num workshop organizado pela Quideia Animações, que também organiza o Festival de Estátuas Vivas de Santarém em parceria com o município. O mais difícil é manter a seriedade e não adormecer. “O que senti mais dificuldade no ano passado foi não fechar os olhos quando não havia pessoas por perto”, conta com um sorriso. Este ano representou o carteiro, inspirado numa estátua que existe no Porto.
Luís Palhais é outro dos jovens da região que participa pelo segundo ano consecutivo. O ano passado representou Cristóvão Colombo e este ano esteve mais tranquilo porque a sua personagem, D. João II, estava sentada. O jovem de Santarém, do curso de audiovisuais, diz que foi o seu irmão, Gabriel Palhais, que o desafiou a participar e tem gostado da experiência.

Milhares de pessoas num festival que está a tornar-se referência em Santarém
Milhares de pessoas passaram pelo centro histórico de Santarém nos três dias do evento. Grupos amontoavam-se junto a cada estátua. Muitos tiravam fotografias para recordação, outros ficavam a observar e a tentar perceber como a pessoa não se mexe. Algumas estátuas interagiram com o público sobretudo com crianças. As noites agradáveis levaram muita gente a sair e apreciar o espectáculo. “Está tudo muito bonito e bem organizado. Santarém precisa de mais iniciativas como esta para dar vida ao centro histórico. Se fosse assim todos os dias era perfeito”, afirma Isabel Botelho enquanto observa a estátua de Almeida Garrett e tira uma fotografia à sua filha a olhar para a estátua.
Na edição deste ano participaram duas dezenas de estátuas tendo sido convidados quatro profissionais que representaram as estátuas de “A Pintora”, “O Fotógrafo”, “A Partida” e “O Toureiro”. Os restantes 16 participantes são amadores ou semi-amadores, todos da região, que estão a experimentar esta área. “Quisemos dar oportunidade aos jovens da região que gostam de artes e também têm direito a seguirem os seus sonhos e ganhar experiência no mundo das artes”, explica Katarina Ferreira, responsável da Quideia, que tem sede em Alpiarça.
A artista não participa como estátua porque andou os três dias de um lado para o outro para ter a certeza que tudo corria bem. Katarina Ferreira conta a O MIRANTE que nunca lhes passou pela cabeça, tanto a si como ao seu companheiro, que também é responsável da Quideia, organizar um Festival de Estátuas Vivas. Tudo aconteceu por acaso. Katarina e Luís estavam a fazer a estátua do casal de chocolate, em Tomar. O actual vereador da Cultura da Câmara de Santarém, Nuno Domingos, foi visitar o evento e ficou a saber que o casal vive em Alpiarça. “A partir daí reunimos e fizemos os dois primeiros espectáculos antes da pandemia. Tem sido um sucesso. As pessoas aderem muito bem aos espectáculos de rua”, afirma.
Com a estátua do casal de chocolate já percorreram festivais na Roménia, Macedónia, Chipre e Tailândia. Além disso, venceram o prémio Revelação no concurso no Festival de Espinho. Katarina Ferreira garante que não existem truques para se estar horas parado. “Não existem segredos, temos que aguentar. A melhor aprendizagem é com a experiência. Também a respiração feita como na meditação ajuda a controlar o corpo e a mente e torna-se mais fácil”, explica.

Joana Branco venceu o Festival de Estátuas Vivas de Santarém com a sua estátua de duende brincalhão. FOTO – Santarém Cultura

O duende brincalhão de Joana Branco vence Festival de Estátuas de Santarém

A personagem Benny-Venti foi novamente a preferida na votação do público

Benny-Venti, um duende atrevido e brincalhão encarnado por Joana Branco, foi a estátua eleita pelo público na 4ª edição do Festival de Estátuas Humanas de Santarém, que decorreu entre os dias 11 e 13 de Agosto, nas ruas do centro histórico de Santarém, numa organização do município em parceria com os Quideia. Com este prémio a personagem Benny-Venti tornou-se a primeira bicampeã do in.Estátuas. Já em 2022 tinha sido a favorita do público.
O prémio, um voucher da autarquia local, com direito a duas entradas para todos os espectáculos levados a cabo pelo Santarém Cultura no Teatro Sá da Bandeira (TSB) durante um ano, foi entregue a Joana Branco pelo vereador com o pelouro da Cultura, Nuno Domingos.
Na edição deste ano, que atraiu milhares de visitantes de vários pontos do país, votaram nas 16 estátuas a concurso quatro mil pessoas. João Filipe, que representou Almeida Garrett, conquistou o prémio do júri composto por Cristina Neves, Maria Emília e Isabel Leão, da Imobiliária ERA, que uma vez mais apoiou este grande evento com um voucher no valor de 500 euros.
Na votação, que decorreu paralelamente online lançada pelos Quideia, a estátua Verão, a cargo de Inês Peixinho, foi a preferida. O município de Santarém atribui ainda aos 16 participantes vouchers para uma entrada para todos os espectáculos promovidos pelo Santarém Cultura no TSB até final de 2023.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1665
    22-05-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1665
    22-05-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo