Desporto | 26-06-2024 21:00

O amor pelas artes marciais deu em casamento

O amor pelas artes marciais deu em casamento
TEXTO COMPLETO DA EDIÇÃO SEMANAL
Alunos, familiares e instrutores da ETAMC assinalaram 25 anos da escola com um Estágio de Artes Marciais e Desportos de Combate

Nuno Nunes pratica artes marciais desde os cinco anos e aos 16 começou a dar aulas. Conheceu a esposa, Ana Nunes, nas artes marciais e o filho mais velho quer fazer carreira no MMA. Nunca sonhou ter uma escola mas a verdade é que a Escola Tradicional de Artes Marciais & Curativas de Benavente já conta 25 anos.

Humildade, perseverança e resiliência são qualidades imprescindíveis para os praticantes de artes marciais poderem evoluir. Quem o diz é Nuno Nunes, mentor e dirigente da Escola Tradicional de Artes Marciais & Curativas de Benavente (ETAMC), que está a celebrar 25 anos de existência.
Nuno Nunes começou a praticar artes marciais aos cinco anos, quando um amigo do pai o convidou a praticar judo em Salvaterra de Magos, a única arte marcial que havia na região há 40 anos. Mais tarde passou para o Karaté e aos 14 anos começou a praticar Kempo em Benavente. Com apenas 16 anos decidiu que queria dar aulas e em 1997, com o cinto castanho de Kempo, começou a ensinar. No ano seguinte recebeu o cinturão negro e na época desportiva 1998/1999 abriu uma escola em nome próprio, com um pólo em Samora Correia e outro em Santo Estêvão.
Actualmente a escola tem instalações próprias em Benavente onde quatro instrutores dão aulas a mais de cem alunos divididos por quatro classes: Duas infantis, uma juvenil e outra sénior.
Por todo o país existem escolas com instrutores formados por Nuno Nunes e que levam o sistema marcial da família Lim mais longe. “O meu mestre é o Papa George Lim. Conheci-o em Espanha, tornei-me aluno dele e sou representante da família Lim em Portugal, Europa e Brasil”, conta. O método que Nuno Nunes ensina baseia-se na defesa pessoal. A arte base chama-se Kajukenbo que por si só já é uma mistura de várias artes marcais como Karaté, Judo, Jujitsu, Kempo e o Wushu.
A ETAMC conta com um centro terapêutico associado que subsidia as artes marciais. Ioga, Pilates e Chi Kung são algumas das aulas disponíveis. “Nos últimos 20 anos estive 26 vezes nos Estados Unidos da América, fiz estágios internacionais e trouxe muitos especialistas a Portugal. Só foi possível porque abri o centro terapêutico há 15 anos”.

Sedentarismo reflecte-se nas crianças
Quando começou a dar aulas as crianças com quatro, cinco e seis anos tinham elasticidade, coordenação motora e destreza física. Hoje com as mesmas idades não têm equilíbrio nem destreza porque as crianças deixaram de brincar na rua e subir às árvores. Os pais também mudaram e cedem às vontades dos filhos. “Quando começamos a trabalhar na disciplina e no esforço físico as crianças oferecem resistência, o que é normal, e chegam a casa e dizem que já não querem vir mais. E os pais cedem quando antigamente pensavam que se é bom para os filhos eles devem continuar a ir. Tenho alunos que começaram assim e estão comigo à 20 anos”, relata Nuno Nunes.
O instrutor deve às artes marciais ter conhecido a esposa, Ana Nunes. Começou a dar-lhe aulas em Benavente, quando substituiu outro formador, mas na época seguinte ela matriculou-se já na sua escola. Tornou-se sua aluna e hoje é uma das instrutoras da ETAMC e dá inclusive aulas da dança tradicional havaiana Hula.
Em Benavente, a escola de artes marciais sempre teve muitas mulheres a praticar e pelo menos uma vez por ano é organizado um estágio de defesa pessoal especifico para as praticantes femininas.
Não existem competições de defesa pessoal porque a maior parte das técnicas não podem ser feitas em competição. A ETAMC tem praticantes inscritos em federações de outras modalidades e os alunos competem por exemplo no Kung-Do, que é um trampolim para quem depois quer fazer MMA (Mixed Martial Arts).
“Há uns anos, numa feira em Santarém, estava com alguns alunos e com a minha família. Tínhamos acabado de fazer uma demonstração e fomos comer. Eu consegui ler o ambiente ao meu redor, o que me permitiu agarrar neles e sairmos do sitio. Percebemos depois que tinha havido confusão e uma grande briga. Esse é o auge da defesa pessoal. Quando não precisamos de usar a parte física mas antes prevenir através do treino mental”.

25 anos assinalados por alunos e instrutores
A ETAMC assinalou 25 anos com um Estágio de Artes Marciais e Desportos de Combate no dia 25 de Maio, no pavilhão da Casa do Povo de Benavente. Alunos, ex-alunos, familiares e instrutores marcaram presença, sopraram as velas e partiram o bolo de aniversário. Ana Nunes foi graduada pelo marido num momento emotivo seguida de palmas dos alunos mais novos.
Sebastião Nunes, filho de Nuno Nunes e Ana Nunes, tem 16 anos e estreou-se no mundo do MMA após sagrar-se campeão nacional de Kung-Do Light e retirar-se com um recorde de 5-0. O atleta da ETAMC e da Academia Unlimited classificou-se em segundo no torneio LWFC (Last Warriors Fighting Championship) em Portimão, na categoria Featherweight (65,80 quilos).
Mas Sebastião Nunes nem sempre quis seguir o caminho das artes marciais. Quando era mais novo os pais obrigavam-no a aprender até se saber defender. Aos 12 anos deixou as artes marciais e foi para o futebol e equitação. Até que viu um vídeo na Internet de MMA e pediu ao pai para aprender. “Estou em ensino domiciliário e treino duas vezes por dia. Quero fazer isto da minha vida e chegar à UFC, a maior liga de MMA do mundo, vou trabalhar para isso”, sublinha.
A O MIRANTE Inês Ferreira, de nove anos, conta que pratica Kempo desde os quatro anos. Gosta da modalidade sobretudo para se saber defender na escola.
Ricardo Carvalho é aluno de Nuno Nunes desde 2014, altura em que levava o filho aos treinos e decidiu começar também a aprender. Hoje é instrutor e tem uma escola em Bucelas com sete alunos. O filho Salvador já fez dois combates de Kong Do e quer passar para o MMA.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1673
    17-07-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1673
    17-07-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo