Economia | 21-07-2023 19:55

Hotelaria de Fátima quase esgotada para a Jornada Mundial da Juventude

Hotelaria de Fátima quase esgotada para a Jornada Mundial da Juventude
foto arquivo

Presidente da Associação Empresarial Ourém-Fátima diz que Fátima está a viver um bom ano no âmbito da hotelaria, mas ainda não está confirmada a expectativa de que este venha a ser um ano turístico excelente para o sector do alojamento.

A hotelaria em Fátima está “praticamente esgotada, mas ainda não totalmente”, para a Jornada Mundial da Juventude (JMJ), que inclui a deslocação do Papa ao santuário, disse a presidente da Associação Empresarial Ourém-Fátima (ACISO). “Para a visita do Papa, a hotelaria está praticamente esgotada, mas ainda não totalmente. É visível, nomeadamente através das centrais de reserva ‘online’, que ainda há alojamentos disponíveis”, afirmou à agência Lusa Purificação Reis.

Referindo que “a JMJ é um evento de jovens, público que, numa percentagem significativa, faz a sua peregrinação ficando em alojamentos comunitários ou casas de acolhimento”, Purificação Reis salientou que, por esse motivo, “é menor o impacto na hotelaria”.

A JMJ realiza-se de 1 a 6 de Agosto, em Lisboa, presidida pelo Papa Francisco, que se desloca ao Santuário de Fátima no dia 5. Já nos dias 12 e 13 de Agosto, decorre a peregrinação do migrante e refugiado a este santuário. Para a presidente da ACISO, a deslocação do Papa a Fátima, mesmo que por um período curto, é sempre um facto marcante para os peregrinos e é um acontecimento com grande projecção nos media internacionais que muito promove a mensagem de Fátima pelo mundo. “Esta forte promoção e divulgação potenciada pela JMJ terá resultados não só a curto prazo, mas, essencialmente, a médio e longo prazos, se soubermos bem receber e acolher todos estes jovens oriundos do mundo inteiro”, alertou Purificação Reis.

Ano está a correr bem

Questionada se, no âmbito da hotelaria, Fátima está a viver um bom ano, a responsável da ACISO respondeu positivamente, admitindo, contudo, que a expectativa de que este venha a ser um ano turístico excelente para o sector do alojamento ainda não se está a verificar. “O primeiro trimestre do ano - época baixa - foi naturalmente muito marcado pela sazonalidade característica do destino, ainda com pouca expressão dos turistas oriundos da Ásia, os quais contribuíam para minimizar a sazonalidade, já que viajavam nesta altura do ano”, concretizou.

Já no segundo trimestre, “a evolução foi positiva, mas esperava-se que, a esta altura, se verificassem taxas de ocupação mais altas e mais constantes”, observou a dirigente, lembrando que “muito do fluxo turístico é turismo interno, pessoas que visitam Fátima e regressam no mesmo dia a suas casas, não pernoitando neste território”.

Destacando “a grande capacidade hoteleira instalada”, a presidente da ACISO, associação que conta com 700 empresas associadas, apontou a existência “de 61 hotéis em Fátima, registados no Registo Nacional de Empreendimentos Turísticos, capacidade esta muito acrescida com os inúmeros estabelecimentos de alojamento local existentes, alguns deles de grande dimensão”.

“O nível de procura necessário para gerar boas taxas de ocupação nos empreendimentos turísticos é, de facto, muito significativo”, prosseguiu Purificação Reis, acrescentando que a oferta hoteleira é grande e, como tal, muito competitiva, o que exige muito empenho e trabalho dos empresários para atingirem bons resultados. Em Fátima, o preço médio por quarto disponível (RevPAR) “é baixo”, declarou a presidente da ACISO, explicando que, “sendo unidades menos rentáveis que outras localizadas noutros destinos turísticos menos sazonais, terão agora mais necessidade de recuperar rentabilidade”.

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1673
    17-07-2024
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1673
    17-07-2024
    Capa Lezíria/Médio Tejo