Sociedade | 19-01-2023

Cuidar dos familiares idosos é acto de amor e coragem

1 / 10
Cuidar dos familiares idosos é acto de amor e coragem

Emília Silva (à direita) cuida a tempo inteiro dos sogros, Alice Gomes e José Ferreira, e da prima Rosa Casimiro

2 / 10
Cuidar dos familiares idosos é acto de amor e coragem

A directora de serviço, Vanda Alvega e a directora técnica da instituição, Sónia Nascimento, notam um aumento de pedidos para Serviço de Apoio Domiciliário

3 / 10
Cuidar dos familiares idosos é acto de amor e coragem
4 / 10
Cuidar dos familiares idosos é acto de amor e coragem
5 / 10
Cuidar dos familiares idosos é acto de amor e coragem
6 / 10
Cuidar dos familiares idosos é acto de amor e coragem
7 / 10
Cuidar dos familiares idosos é acto de amor e coragem
8 / 10
Cuidar dos familiares idosos é acto de amor e coragem
9 / 10
Cuidar dos familiares idosos é acto de amor e coragem
10 / 10
Cuidar dos familiares idosos é acto de amor e coragem

A ida de idosos para um lar acontece cada vez mais tarde e é preciso o Estado e as instituições adaptarem-se à nova realidade, alertam Sónia Nascimento e Vanda Alvega, directoras na Misericórdia de Alhandra. A instituição presta apoio ao domicílio a 32 utentes.

Ajuda-os na higiene, prepara-lhes as refeições, leva-os às consultas e assegura a toma correcta da medicação. Acredita que são mais felizes na sua casa. A ida de idosos para um lar acontece cada vez mais tarde e é preciso o Estado e as instituições adaptarem-se à nova realidade, alertam Sónia Nascimento e Vanda Alvega, directoras na Misericórdia de Alhandra.

Emília Silva começou a perceber a dimensão do problema quando o cheiro a gás e o fogão ligado por esquecimento começaram a ser uma constante na casa dos sogros. “Já não tinham capacidade para estarem sozinhos, então acabei por trazê-los para cá. Não querendo criticar o trabalho feito nos lares assumi essa tarefa para poderem ter mais qualidade de vida. Acredito que são mais felizes assim”. Há três anos abdicou definitivamente do trabalho como desenhadora e já não se lembra do que é viver uma vida sem pensar primeiro na daqueles que cuida: a sogra, de 84 anos, o sogro, de 87, e a prima Rosa Casimiro, de 86. Mas fá-lo “por amor”, mesmo sem saber ao certo se os três idosos “se apercebem da sorte que têm”.

Leia a notícia completa na edição em papel de O MIRANTE

Mais Notícias

    A carregar...
    Logo: Mirante TV
    mais vídeos
    mais fotogalerias

    Edição Semanal

    Edição nº 1597
    01-02-2023
    Capa Vale Tejo
    Edição nº 1597
    01-02-2023
    Capa Médio Tejo