Economia | 18-05-2020 10:00

Produção das centrais a carvão do Pego  e Sines foi nula durante o mês de Abril

Produção das centrais a carvão do Pego  e Sines foi nula durante o mês de Abril

Portugal não produziu electricidade a partir de carvão pela primeira vez em 35 anos.

A produção das centrais a carvão de Sines e do Pego foi nula no mês de Abril, o que aconteceu pela primeira vez desde a sua abertura, em 1985, segundo a REN – Redes Energéticas Nacionais. “A produção de carvão, que já era muito reduzida, foi mesmo inexistente em Abril, o que acontece pela primeira vez desde a existência das actuais centrais a carvão de Sines e Pego, explicou a gestora da rede eléctrica nacional, numa altura em que se perspectiva o encerramento das duas centrais.


Em Outubro do ano passado o Governo anunciou estar preparado para encerrar a central termoeléctrica do Pego no final de 2021 e fazer cessar a produção da central de Sines em Setembro de 2023. Segundo a REN, em Abril as condições hidrológicas foram favoráveis com o índice de produtibilidade hidroeléctrica a situar-se em 1,17 (sendo a média histórica igual a 1), enquanto nas eólicas o índice situou-se em 0,85 (média histórica igual a 1).


A produção renovável abasteceu 69% do consumo nacional, a produção não renovável 17%, enquanto os restantes 14% foram abastecidos com energia importada de Espanha. Já no acumulado dos primeiros quatro meses do ano, o índice de produtibilidade hidroeléctrica situou-se em 0,96 e a produtibilidade eólica em 0,86. Entre Janeiro e Abril a produção renovável abasteceu 69% do consumo (sendo hidroeléctrica com 35%, eólica com 26%, biomassa com 6% e fotovoltaica com 2%) e a produção não renovável 28% do consumo, o que segundo a REN aconteceu praticamente apenas com gás natural.


O saldo importador, nos primeiros quatro meses de 2020, foi equivalente a cerca de 2,3% do consumo nacional. O consumo de electricidade caiu 12% em Abril, segundo dados da REN, que refere que é necessário recuar a Agosto de 2004 para encontrar um consumo mensal tão baixo como o do mês passado.


Se o consumo de energia for contabilizado corrigindo os efeitos de temperatura e o número de dias úteis do mês, a queda em Abril ainda foi ainda maior, de 13,8%, em relação ao período homólogo.


Já no mercado de gás natural, o consumo nacional teve em Abril uma quebra de 26%, com uma diminuição de 13% no segmento convencional (consumo doméstico) e uma redução de 66% no segmento de produção de energia elétrica, de acordo com a REN.

Mais Notícias

    A carregar...

    Edição Semanal

    Edição nº 1463
    09-07-2020
    Capa Médio Tejo
    Edição nº 1463
    09-07-2020
    Capa Vale Tejo